terça-feira, 2 de abril de 2013

Santa Ceia (com vinho), se participar, não dirija!

7 comentários

O Brasil é um país laico, isto não significa que ele seja um país ateu, tanto é que as cédulas da moeda corrente em nosso país possuem a inscrição “Deus seja louvado”, que recentemente teve sua utilização questionada.

Um país laico é aquele que não adota, não incentiva, não promove  e nem beneficia qualquer tipo de religião, a filosofia do laicismo prega a separação total entre a religião e o Estado, ou seja, em teoria o Estado não se intromete em assuntos religiosos e nem os religiosos se metem na política, na pratica não é assim que funciona, os religiosos são bem atuantes na política.

O fato de vivermos num Estado laico, com direito constitucional de liberdade religiosa garantida, não significa que os religiosos não devem respeitar as leis.

A própria Bíblia, que é a Palavra de Deus e regra de fé e conduta para os cristãos diz: Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas” Romanos 13:1

A finalidade de  Deus instituir governos é estabelecer a ordem, punir os maus e promover a justiça. Quem se opõe aos governos a Deus se opõe, vejamos: De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus” (Romanos 13:2).

Ainda que não concordemos com as elevadas taxas de impostos, até nisto devemos nos sujeitar aos governos, porque está escrito: Pagai a todos o que lhes é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra” Romanos 13:7.

Não é sonegando imposto que lutamos contra a cobrança excessiva, podemos lutar contra as altas taxas através do nosso poder como cidadãos, usando corretamente nosso voto, elegendo candidatos que tenham compromisso com esta causa e a desoneração de impostos visando o crescimento do país.

Agora, vou direto ao assunto, sugerido pelo irmão Claudio, leitor do blog e membro da Congregação Cristã no Brasil, que gostaria que eu abordasse a incompatibilidade do álcool e direção de acordo com a recente alteração das leis de transito no Brasil.

Apesar da legislação anterior, lei 9.503/1997 do Código Brasileiro de Trânsito, em seu artigo 165 prever que dirigir sob influencia de álcool ou qualquer outro tipo de droga era considerado inflação gravíssima, uma certa quantidade de ingestão de álcool era tolerada e o condutor tinha o direito de se recusar a fazer o teste do bafômetro.

A Lei 12.760 de 20 de dezembro de 2012, alterou o artigo 165 do Código de Transito Brasileiro, agora dirigir sob influencia de álcool, em qualquer quantidade, além de ser considerada inflação gravíssima tem como punição a suspensão da carteira de habilitação por 12 meses, apreensão do veículo e multa de R$ 1.915,30.

Recentemente, um evangélico da cidade de Franca, interior de SP, que não bebe, mas pertence a uma igreja que celebra a santa ceia com vinho foi detido pela Policia Militar numa fiscalização da lei seca, segundo o religioso ele havia participado da Santa Ceia em sua igreja, a argumentação serviu apenas justificar ao delegado o fato do bafômetro ter acusado a presença de álcool, mas não o livrou da multa de quase R$ 2.000,00.

Segue agora abaixo a dúvida do nosso irmão Claudio:

Bom, sendo assim, complicada a situação da irmandade ao sair da santa ceia e, numa blitz dessa, o bafômetro acusar a presença de álcool. Surge daí, a seguinte indagação: Deve mesmo ser servido vinho na santa ceia, ou um simples suco de uva como usado em outras denominações, tem a mesma função ?

Em outro contexto, já escrevi sobre isso aqui no blog, lá no artigo Cálice único na Santa Ceia – Estudo de um ccbeiano (CLIQUE AQUI para ler o artigo).

A Santa Ceia, um sacramento instituído por Jesus Cristo na noite em que Ele e os apóstolos observavam a Páscoa judaica (Lucas 22:19), festa a qual Jesus atribuiu novo significado. 

A Ceia do Senhor firmou uma Nova Aliança entre Deus e os homens (Lucas 22:20), é algo que fazemos em memória de  Cristo por determinação do próprio Jesus.

Conforme já disse no referido artigo, a Santa Ceia é um sacramento instituído por Jesus, mas sua administração envolve formas e aspectos exteriores que são definidos pela tradição ou instituição humana, exemplos:

- Tipo de pão: branco, preto, azimo;
- Forma do pão: inteiro, pedaços, hóstia;
- Tipo de bebida: suco de uva, vinho tinto/ rose, suave/seco;
- Forma de distribuição: cálice único ou individual;
- Recepção: ajoelhados ou em pé;
- Freqüência: diário, semanal, mensal ou anual.

Apesar de vivermos num Estado Laico, onde é assegurado o direito à liberdade religiosa, o direito ao culto e crença não é superior às leis, portanto, os cristãos de quaisquer vertentes devem respeitar as leis, inclusive, esta que não tolera que condutores de veículos tenham ingerido álcool em qualquer quantidade.

O irmão Claudio questiona se a santa ceia precisa mesmo ser celebrada com vinho, em minha opinião não precisa ser com vinho, a seguir explico o porque.

São dois motivos que me fazem acreditar que não é necessário celebrar a santa ceia com vinho, são elas:

  • A santa ceia é uma celebração instituída por Jesus e é celebrada em sua memória, seja utilizando vinho ou suco de uva, durante a celebração, após ter orado pelo vinho/suco, ambos deixam de ser alimentos líquidos (suco ou vinho) eles passam a representar simbolicamente o sangue de Jesus.

  • Como químico, sei que a uva é uma fruta diretamente fermentescível, ou seja, possui naturalmente na própria fruta os micro-organismos responsáveis pela sua fermentação, que convertem o suco da uva em vinho, ou seja, suco de uva sem conservantes pode ser considerado vinho, o que difere um suco de uva sem conservantes de um vinho industrial atualmente utilizado pelas igrejas evangélicas na celebração da santa ceia é apenas o teor alcoólico. Enquanto o vinho industrializado ou artesanal tem concentração entre 17 e 21% de álcool, o suco de uva tem teor alcoólico de até 0,5%, acima de 0,5% a legislação determina que o produto seja registrado e fornecido como vinho e não como suco de uva.


Não tenho nada contra a utilização do vinho na santa ceia, estou fazendo uma abordagem do ponto de vista legal, as denominações que  desejarem continuar utilizando vinho na santa ceia devem no mínimo tomar o cuidado de orientar seus membros a virem caminhando ou de carona para que não corram o risco de ter sua habilitação suspensa e pagar essa pesada multa caso sejam surpreendidos pela fiscalização. 

Um conselho?  Se participar da Santa Ceia com vinho, não dirija!

Se participar da santa ceia com vinho e for pego numa blitz, não reclame! 

A lei é clara e para todos.

7 comentários:

HP disse...

Mário,

Que ótimo post! Muito esclarecedor, inclusive sobre o teor alcoolico do suco de uva. Muito bom!

Deus te abençoe!

Claudionor Teixeira disse...

Irmão Mário.

Concordo com seus comentários, e muito oportuna sua manifestação sobre este tema.

A família é a pedra angular da sociedade, fundamental para sustento do sistema.

As igrejas de Deus deveriam abolir o uso do álcool inclusive não os utilizando nas Santas Ceias, as razões são muito mais nobres do que essas discussões litúrgicas, já que o uso abusivo do álcool tem destruído lares e consequentemente as famílias, e há denominações que sequer orientam os irmãos sobre esse fato, mesmo a Bíblia sendo muito clara a respeito da embriaguez.

O momento simbolizado pela Santa Ceia é muito maior que a forma celebrada, de maneira que não entendendo o significado de 1 Co 11, pouco vai importar o ritual que tu segues ao participar da lembrança da morte de Cristo.

Precisou um a lei de um Estado laico ser intolerante ao álcool, e nós cristãos ficarmos calados, agora entendo porque Deus se utilizou de uma jumenta certa vez.

Mais uma vez parabéns irmão Mário pelo "post".

A Paz.

Claudionor



Mario disse...

Irmãos, a paz de Deus!

Tenho minha opinião quanto ao uso do álcool na vida social, publiquei aqui: http://www.blogdomario.com/2010/10/mamadeira-do-diabo.html

Quanto a utilização de vinho na santa ceia, não tenho objeções, mas minha preferência, sem duvidas, é pelo suco de uva.

Tenho um conhecido que é alcoólatra, noto o esforço dele em manter distancia e não provar nada que tenha álcool, inclusive, comida. Nunca quis ser indelicado em perguntar como ele se sente em época da santa ceia, já que ele é membro da CCB e inevitavelmente terá contato com o vinho.

Fiquem na paz!

Abraço

Regina Farias disse...

Mário,

Como falei dias atrás no 'feici', estava com saudade de vir aqui.
Foi preciso um irmão instigá-lo a escrever... Ah! Então vou imitar esse irmão ;)

Excelente esclarecimento acerca da Constituição e das propriedades do vinho (que amo!), aos quais não ouso acrescentar nada, de tão completos!

Só queria aproveitar pra fazer minhas considerações (pra variar rss)

Quanto à Ceia em si, muito me admira os denominacionais que usam 'o evangelho segundo a carta aos coríntios' como doutrina, não perceberem o próprio Jesus dizer 'TODAS AS VEZES' em vez de 'uma vez no ano'.

E o fato mais curioso ainda é que ele diz 'TODAS AS VEZES' duas vezes em dois versículos SEGUIDOS(1Co 11:25.26).

E, como era mais uma das celebrações do costume judaico Ele o fez, mas DIFERENTE, enfatizando o sangue que seria derramado para remissão de muitos. (Mt 26.28 )

Atentando-se ainda à metáfora em Lucas 22.17: 'recebei e REPARTI entre vós' - onde o compartilhar do mesmo pão indicava a Unidade do Corpo de Cristo. Unidade esta, que não está vinculada a nenhuma denominação religiosa registrada aqui na Terra e, sim, a um constante exercício onde o que tem a mente de Cristo é desafiado a examinar seu estilo de vida de modo geral. De modo geral e não conforme o formato religioso ao qual ele aderiu. Nesse sentido, aprecio particularmente, a humildade e a sabedoria do pastor, no momento da celebração da Santa Ceia, em relação aos visitantes participarem também.

Por fim, quanto à 'ceia' no sentido metafórico de repartir o pão e o vinho (e tb. para eu poder dirigir em paz rss) eu fico com o partir do pão cotidiano que 'anuncia a morte do Senhor' como diz nessa postagem:

http://reginafarias.blogspot.com.br/2010/08/no-partir-do-pao.html

E não como diz a crença (herança católica) que muitos protestantes seguem, como se ali estivesse sendo representado o corpo e o sangue de Jesus e, assim, Jesus estivesse literalmente 'dentro' de nós que participamos dessa dita 'Santa Ceia'.

Perdão se escadalizo alguns, mas é que eu também fui (des)construída a partir de ensinamentos que vamos engessando na mente desde que nascemos e aproveito a oportunidade aqui para compartilhar meu aprendizado com toda lucidez e equilíbrio acerca do que seja mero cerimonialismo que, com a vida, morte e ressurreição de Cristo, perdeu sentido e validade.

Deus te abençoe!

R.

Mario disse...

Oi Regina,

Ando meio corrido, 24 horas parecem ser poucas para fazer tudo o que preciso fazer.

Ontem aproveitei a ociosidade de estar apenas gerenciando o trabalho dos vendedores para escrever este texto... Na semana, após 12 horas de trabalho e mais uma de estrada comecei a escreve-lo, acabei dormindo em cima do computador.

Na medida do possível vou tentar manter o blog atualizado.

Abraço!

António Jesus Batalha disse...

Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom, li algumas coisas folhe-ei algumas postagens, gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, e espero que continue se esforçando para sempre fazer o seu melhor, quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha. Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que haja muita felicidade e saude em sua vida e em toda a sua casa.
PS. Se desejar seguir o meu blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.

Geni Silva disse...

Sou da ccb e la celebramos a ceia com vonho alcooloco e diz que é so um golinho.Mas se a bebida causa tamto mal entao devemos ta-la,afinal ceia é para lembrar o sangue de Cristo! Se adulterio é pecado entao não podemos praticar so um pouquinho como so um golinho de vinho

Postar um comentário

Comente, elogie ou critique a postagem, mas se porte como cristão, não use "palavrões" e nem ofenda pessoas ou instituições.

Seguidores

Divulgação