sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Mudar ou não mudar de igreja, eis a questão!

15 comentários

Querido, a paz e o amor de Deus, por Jesus Cristo, abundem o teu coração!

Antes de dar minha opinião, vou dizer o que penso sobre igreja.

A Igreja de Deus (link) não é composta paredes cinzas ou amarelas e nem ostentam uma placa com o nome de denominação X, Y ou Z. 

A verdadeira Igreja Deus é invisível, é feita de carne e osso (1° Coríntios 6:19), ou seja, é composta por todos os crentes em Cristo Jesus.

As igrejas que conhecemos hoje, com nome denominacional, CNPJ e até marca registrada, são instituições fundadas e geridas por homens, elas possuem um papel importante no ponto de vista da organização, e apoio aos crentes e a expansão da fé cristã através de trabalhos missionários, sem as igrejas e seus missionários, os primitivos não teriam sido alcançados pelo evangelho, por sua vez, Luis Francescon, Daniel Berg, Gunnar Vingren, Jhon Wesley, Lutero, Calvino também não teriam sido alcançados e consequentemente nós brasileiros também não.

Sendo uma instituição criada e gerida pelo homem, é natural que nelas haja falhas, afinal o homem é falho, nos ensina as Sagradas Escrituras: “não há homem justo sobre a terra, que faça o bem e nunca peque” (Eclesiastes 7:20). 

Todas as denominações, sem exceções, têm suas virtudes e também suas falhas, somente “o caminho de Deus é perfeito”, somente “a palavra do Senhor é pura” e somente Deus “é um escudo para todos os que nele se refugiam” (Salmo 18:30).

A igreja que disser não ter defeitos, que seus ministros não pecam, que as palavras ditas nos seus púlpitos são puras, está tentando roubar o papel principal da fé cristã, que é  o de Jesus, único perfeito, que é também o autor da salvação (Hebreus 5:9) para todos aqueles que nele crerem (João 3:16).

Nem sempre as falhas que originam os defeitos nas igrejas são originados com más intenções, nem sempre são premeditados, o problema é a falibilidade humana mesmo, geralmente os ministros estão imbuídos de bons sentimentos e boas intenções.

Lógico que há pessoas que por vaidade, politicagem, ganância e poder acham que os fins justificam os meios,  há “servos” que agem por interesses próprios, não servindo a Deus, mas a si próprio.

Dito estas coisas, agora vou tentar responder suas perguntas.


Podemos continuar buscando a Deus em lugares que estão cheio de erros e que conhecemos muitos destes erros?

Como disse acima, não existem igrejas perfeitas, a busca por uma igreja perfeita seria infinita, porém, existem igrejas maduras e você pode se fixar em qualquer uma delas desde que se sinta acolhido por ela.

Não se iluda, até mesmo as igrejas maduras possuem defeitos, por isso, devemos agir como os crentes de Beréia que se aplicavam em conhecer as Sagradas Escrituras e agir conforme a orientação do apostolo Paulo, que disse: “examine tudo, retenha o que é bom” (1° Tessalonicenses 21).

Você pode estar na CCB, na denominação A, B ou C, Deus se permite ser encontrado por todos que o buscam (Jeremias 29:13)... Então, não deixe de buscar a Deus.


Será que não devemos ir para um lugar onde verdadeiramente se estuda a Palavra de Deus e se ensina a verdade?

Seu coração deve ser a sua bussola e o Espírito Santo o teu guia, dobre teus joelhos, peça a Deus a direção e ele apontará o melhor caminho, se é ficar ou partir.

Não precisamos necessariamente estar numa igreja para conhecer a Bíblia, nada impede que você abra sua Bíblia agora, aí na sua casa, e estude a palavra pura (Salmo 18:30), que foi inspirada por Deus (2° Timóteo 3:16-17) e é  rica em verdade que liberta (João 8:32) o homem do jugo pesado impostos pelos homens que lideram uma igreja.

Muitas vezes nós erramos, e somos coniventes com os erros da igreja exatamente por não conhecer as Escrituras (Mateus 22:29).

No meu caso, que gosto de estudar e debater para aprender, preferi ir para uma denominação que tem tradição no ensino bíblico sistemático, preferi sair em paz da CCB, do que permanecer na CCB, mas em guerra comigo mesmo. 

Eu seria mentiroso se dissesse que foi fácil à mudança para mim.


Será que Deus está à frente da Congregação? Caso contrário, o que devemos fazer?

Deus se faz presente onde dois ou três em seu nome se reunirem (Mateus 18:20), está na CCB também, dei ênfase no “também” porque outrora me ensinaram que ele só estava aí, e constatei que não é assim.

Podemos afirmar categoricamente que Deus está presente na CCB, porém, não podemos afirmar com a mesma certeza que todos os ministros dela estejam com Deus, não se  espante, assim também é nas outras denominações, o homem é falho, é corruptível e muitas vezes fazem associações obscuras incompatíveis com a fé que professa.

O que fazer? Conte sempre com Deus e com sua Palavra, que é “lâmpada para seus pés e luz para seus caminhos” (Salmos 119:105) e também trás consolo e esperança (Romanos 15:4).

Independente de qual igreja você estiver, sempre ore a Deus pelos teus ministros, e pelos ministérios das igrejas de Deus em geral na face da Terra,  para que a vontade Dele seja sempre manifesta e que as ervas daninhas sejam extirpadas dos seios das igreja, e assim possamos melhor servir ao Senhor em espírito, verdade e com sincero coração.  

Servimos a Deus, não ao homem ou denominações, devemos respeitar nossos ministros, mas aquilo que é ensinado por eles e não tem fundamento bíblico deve ser rejeitado e combatido (Gálatas 1:8).


Você não perguntou, mas suponhamos que tivesse perguntado: Mudo ou não mudo de igreja?

Mudar ou não mudar de igreja? ... Talvez conhecer, vá com cautela para não ficar a deriva.

A CCB é uma igreja com liturgia diferenciada das demais igrejas evangélicas brasileiras, a doutrina oficial ccbeiana é comum às demais denominações cristãs evangélicas, porém, há forte influencia de uma doutrina sectarista paralela  e oral que suprime a doutrina que consta no estatuto e hinário, com isso, a adaptação noutras denominações poder ser difícil para o ccbeiano, inclusive, pelo estilo musical adotado por outras igrejas.

Outro ponto de atenção é que geralmente o ccbeiano que vai para outras igrejas e não conseguem se adaptar nelas acabam não tendo forças para voltar a CCB, e assim,  muitos abandonam a fé.

Com tantas dissidências existentes, creio eu que ao sair visitar denominações, os ccbeianos também devam conhecer as dissidências da CCB, porém, se a pessoa busca algo diferente, talvez não seja a melhor opção, pois, são praticamente as mesmas igrejas, inclusive, como os mesmos vícios e defeitos.

Eu mesmo, visitei diversas denominações enquanto era auxiliar, estive com os pés em “duas canoas” por quase dois anos, até que percebi que eu meu lugar era na igreja Batista, pois, tinha mais liberdade servir a Deus conforme meu entendimento.

Jesus é o único caminho que nos leva ao Pai, as denominações são um mero detalhe (ao menos deveriam ser).

Espero ter jogado um pouco de luz no assunto e ajudar a você pensar um pouco.

Fraterno abraço!


CONTATO MOÇO 
 
A Paz De Deus!
 A respeito das alterações dos "Pontos e Doutrinas que UMA VEZ foi dada aos Santos"
 Irmão confesso que estou muito... confuso? (Acho q é esta a expressão correta) a respeito das alterações que estão circulando em massa no meio do povo da CCB, irei direto ao assunto que é minha principal dúvida.
 Podemos continuar buscando a Deus em lugares que estão cheio de "erros" e que conhecemos muitos destes erros?
Será que não devemos ir para um lugar onde verdadeiramente se estuda a Palavra de Deus e nos ensina a verdade?
Será que é Deus que está na frente da Congregação? Caso contrário, o que devemos fazer?
 Aguardo respostas do irmão pois sei que o Irmão tem muita sabedoria divina, Deus abençoe e A Paz de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo seja com vosco ;)

15 comentários:

Regina Farias disse...

Sabemos que muitos frequentam uma igreja pela tradição familiar ou então para ter uma 'garantia espiritual'. É a história da confiança no 'templo do Senhor'.

Outros, passam a frequentar pelas circunstâncias, mas que vão desenvolvendo a mesma ilusão da confiança no templo, na denominação. No deus-denominação.

Por exemplo, na minha própria família (mãe e irmãos), os que 'se converteram' à CCB foram os que estavam vivenciando 'na pele' um grande drama familiar. Uma coisa a se pensar é que a curiosidade do fato fica por conta de que, os que estavam fora do contexto desse drama, não foram influenciados. Confesso que eu ainda cheguei a ser metralhada de todas as formas com o velho proselitismo durante anos e anos. Mas, apesar do terrorismo velado nessa artimanha, meu senso crítico sempre falava mais alto do que a pesada carga de medo e culpa imputada. Eu creio que o que mantinha o equilíbrio era meu senso de questionamento desde garota, ainda que com os 'meus próprios botões'. Sim, pois eu sempre me perguntava que Deus era aquele que me angustiava, me oprimia o peito, me adoecia a alma, em vez de me fazer bem.

Quando me converti AO EVANGELHO (há dez anos e totalmente FORA de qualquer muro religioso), no afã e na imensa alegria da ocasião em trabalhar nos tais 'ministérios', ENCANTEI-ME com os inúmeros ministérios da IECB e logo me filiei a ela. Com a continuidade, fui amadurecendo e substituindo minha empolgação inicial pelo meu inevitável - e sempre presente! - senso crítico que me fez esfriar em relação a essa coisa de 'ministério'. Passei a enxergar melhor o que se passa nos bastidores do evangelismo programado e não concordei com o que vi. Não tem nada a ver com decepção, desilusão ou desânimo. Sou adulta e conheço a natureza humana. Eu não quero é fazer parte de algo que não condiz com meus valores.

Vejo muitos dizerem que devemos estar filiados, de carteirinha e tudo, que quem se furta a isso é porque não quer ter responsabilidades na igreja e blá blá blá. Eu, particularmente, não concordo com isso. Sou responsável para com o próximo, e não para com 'o próximo' determinado pela organização igrejista. Da mesma forma que vejo pessoas trabalhando nos ministérios para agradar, bajular, se projetar, ter algum benefício próprio, deixando pra depois o zelo pelo próximo.

Em relação à CCB, já que é a mesma que está em questão, vou ser bem honesta e dizer o que tenho acompanhado bem de pertinho há uns 35 anos! O terrorismo religioso que reina lá dentro é tão violento que eu vejo as pessoas presenciarem, vivenciarem, viverem na própria pele as consequências de erros terríveis que vão contra o Evangelho, mas não têm força nem coragem para se pronunciar,e, muito menos, migrar para outra denominação.

Por outro lado, tenho observado por meio da internet que as novas gerações estão se pronunciando e, mesmo dentro das quatro paredes da igreja, estão colocando a boca no trombone e deixando claro que não aceitam mais o pacote doutrinário que enfiaram goela abaixo durante décadas. Como já falei em outros blogs, eu estranho um pouco mas confesso que admiro quem quer permanecer nela, confiante na correção desses erros.


Voltemos a Cristo disse...

Ao moço do contato, se quiseres entrar em contato comigo posso conta-lo meu testemunho do que passei e ainda passo, e do que o Senhor fez na minha vida, só não relato aqui pois já prometi a mim mesmo que não postaria mais nesses blogs onde passeiam muitos fanaticos denominacionais, para não gerar contenda , se quiseres me manda um email. rapesane@yahoo.com.br

Ricardo Alexandre disse...

Muitos confusos, alguns defendendo de lá outros de cá, todos querendo uma justificativa e o Conselho de anciães fazendo de conta que não é com ele.

Szmyhiel disse...

Caro Mario,

Minha dúvida é inteiramente curiosidade, mudar de igreja muda alguma coisa, ou é necessário mudar a maneira de ver a igreja?

Grande abraço,

Em Cristo,

Regina Farias disse...

Ricardo,

Tem uma frase, que eu não sei quem falou, que diz assim:

Toda repressão um dia explode!

Abs.

Mario disse...

Szmyhiel,

Na verdade não temos que enxergar as igrejas de outras formas, mas sim como elas realmente são, ou seja, elas deveriam ser meros hospitais para pecadores e não galerias de santos, aceitar a falibilidade dos homens a frente da igreja já está de bom tamanho, afinal, dessa forma afirmamos que perfeito é só Jesus.

Fraterno abraço,

Mario

Szmyhiel disse...

Irmão Mário,

Entendi... Mas mudar de igreja, mudou algo em vc?

Abraço,

Mario disse...

Szmyhiel,

Mudou sim, deixei de ser sectarista, no sentido de reconhecer e respeitar os demais membros da família de Cristo que estão noutras denominações, passei a me reconhecer como um mísero pecador que necessita todos os dias da misericórdia e perdão de Deus e me tornei mais pró-ativo em falar da Palavra de Deus.

Este ultimo item em especial pra mim é o mais marcante, pois, me recordo de algumas situações vividas na CCB, tanto de alegria, quanto de apreensão.

Fique na paz de Deus!

Regina Farias disse...

Caramba, Mário!

Como sempre digo, admiro quem fala pouco e diz TUDO (porque eu sou uma incorrigível prolixa).

E você, simplesmente resumiu T.U.D.O em ENXUTÍSSIMAS palavras:

1.Deixou de ser sectarista.
2.Reconhece quem é seu próximo.
3.Reconhece-se um mísero pecador que carece da misericórdia de Deus.
4.Fala com propriedade quando lhe perguntam sobre amor, fé e esperança.

Isso pra mim é evangelho puro e simples.

O resto é doutrina de homens.

Essa é a mudança que precisamos.

Pena que foi necessário você migrar de uma denominação para outra quando ambas dizem professar a mesma fé em Jesus. Coisa a se refletir...

Abraços,

R.

Mario disse...

Regina,

Na verdade eu poderia ter sido sucinto, dizendo que "me tornei cristão", mas cristão eu já era, apenas passei a ser eu mesmo, pois, sempre aceitei os membros das demais igrejas como irmãos, quando digo deixei de ser sectarista me refiro a demonstrar em atitudes a minha fé e não em aparência exterior.

Pecador eu sempre soube que era, apenas entendi que embora queiramos não é possível que sejamos "firmes e fiéis até o fim", e que Deus sabe disso, por isso, me perdoa... daí se tem a compreensão do que vem a ser a graça.

Falar do evangelho é cumprir nossa obrigação, o próprio Jesus nos ordenou isso.

O dia que entendemos que a igreja somos nós, entendemos também que pouco importa a denominação qual frequentamos.

Fique na paz!

Regina Farias disse...

Não me esqueço do que disse certa vez um sábio pregador, de púlpito, uma grande verdade sobre a fé, a esperança e o amor. E o fato de O AMOR ser o maior dos três.

Porque na fé e na esperança, geralmente as expectativas são relacionadas com o nosso próprio ego, a nossa individualidade, os nossos anseios pessoais. Ou seja, geralmente afastam as pessoas umas das outras.

E, no amor, nosso pensamento, nossas palavras e a nossa ação estão direcionados para o outro. É o 'sair do si mesmo' que nos alerta Jesus.

Sem amor nada se aproveita - arremataria Paulo em seu belo discurso aos arrogantes crentes de Corinto.

Regina Farias disse...

Mário,

Eu tenho no meu blog vários textos onde falo de minhas experiências nesse sentido.

Mas eu creio que o texto no qual eu mais me exponho e mais derramo a minha alma é este: http://reginafarias.blogspot.com.br/2012/01/o-pao-da-vida.html

Beijos,

R.

Kli Wood disse...

Gosto muito deste Blog Mario e nitidamente para aqueles que possuem um mínimo de percepção espiritual sentem o mover do Espírito Santo em sua vida quando escreve.

Fico impressionado como o Espírito Santo tem agido nestes últimos dois anos e levado muitas pessoas a abandonarem placas e bandeiras de denominações para se dirigirem exclusivamente a Cristo e ao Evangelho sem rótulos. Eu sou um que fazia alguns meses não suportava mais escutar que a Igreja Quadrangular era isto e era aquilo e etc e etc. Tudo balela, CRISTO é o caminho:

Tudo bem que a IQ como todas as demais denominações são sim congregações que convertem milhares de pessoas a Cristo, mas se apegar a tradição de congregações to fora, hoje congrego no Ministério Cristo Para as Nações e sou amigo e irmão de qualquer um e de qualquer denominação. Minha denominação é CRISTO.

Eu não tenho muita simpatia pela CCB devido ao garagista que trabalha no prédio onde eu morei por 20 anos e que é da CCB, claro não vou tirar ele como símbolo da CCB, mas pelo amor de Deus, o que é aquilo, que separação doutrinal é esta que só eles prestam?

As congregações ( querendo manter um estilo próprio denominacional) acabam por surtar sem sentir e se fecham em cúpulas dogmáticas indo em caminho contrário ao o que Cristo pregou. E o pior de tudo é que chegam a pregar uma doutrina estranha de separação para defenderem suas placas, absurdo isto !!!

Por isto mesmo a celebre frase de Charles Spurgeon cabe muito bem no assunto aqui e que dizia assim = Ateus juramentados não são nem um décimo tão perigosos quanto pregadores que lançam dúvidas e esfaqueiam a fé do povo =
Cristo é a cabeça e nós o corpo, esta é a verdadeira igreja e é indivisível, quer seja por placas quer seja por qualquer outra forma.

Abraços e fiquem na Paz do Senhor
Em Cristo Jesus
Pastor Ricardo

Rana disse...

Faça como eu gente: apesar de ser batizado na ccb por coincidência, a minha conversão não dependeu de nenhuma placa de igreja, foi direto com JESUS CRISTO, que me chamou, me deu o perdão e esta me dando o crescimento; é por isso que não me preocupo com esta ou aquela organização já que DEUS me visita nas minhas orações, onde quer que esteja e em comunhão me sinto bem e interajo com as pessoas que estão no mesmo propósito de louvar a DEUS em espírito e em verdade, portando não é mudar de igreja que faz as pessoas agradar a DEUS, e sim o coração contrito, a prática do evangelho dia a dia que nos faz agradar a CRISTO e servir ao nosso próximo.
Quantas vezes sentado no banco da ccb, tive que ir embora porque não tinha comunhão pois as pessoas conversavam, riam, gente transitando pra lá e pra cá, totalmente desvinculadas do serviço de culto, e aí de volta ao meu lar, em meu aposento e em comunhão com DEUS ele me visitava.
E aí, a igreja valeu alguma coisa ?
Vamos deixar de se apegar em coisas humanas e se apegar somente em DEUS, e aí você verá que prédio não faz a menor diferença.
AMEM, GLÓRIA A DEUS.

Geni Silva disse...

Sou da ccb a 31 anos me converti pala fé em Jesus! Mas de uns anos pra ca tenho me decepicionado muito com o desamor entre a irmandade...Entao comecei a estudar a biblia e cheguei a conclusao que muitas doutrinas sao dos homens e não de Deus.Continuo congregando mas tenho feito os estudos biblicos e creio que Deus me guiara...No momento sinto vontade de visitar a Igreja Batista tradicional e estou orando para que Deus tome caminhos...

Postar um comentário

Comente, elogie ou critique a postagem, mas se porte como cristão, não use "palavrões" e nem ofenda pessoas ou instituições.

Seguidores

Divulgação