sexta-feira, 13 de abril de 2012

Do altar para a cama com as bençãos da igreja

2 comentários
Algumas vezes, infelizmente, um crime tão hediondo onde um líder religioso leva uma criança do altar para a cama, por omissão e conivência da instituição em que o religioso criminoso atua, acaba tendo as bênçãos da própria Igreja.
.
.
Diante da inércia das cúpulas de muitas Igrejas que não punem e nem denunciam os seus ministros pedófilos, para expressar minha indignação acerca do assunto usarei as palavras do pastor norte-americano Martin Luther King, que disse: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.

O leitor desta postagem pode ter a impressão que ela foi escrita em tom de denuncia, lamento informar que infelizmente você está certo, mais uma criança foi violentada dentro da igreja, e mais uma vez a Igreja temendo escândalos e visando proteger seu patrimônio material abafou o caso.

Não irei expor aqui o caso, se assim fizesse estaria violentando esta criança e sua família pela terceira vez, pois, esta criança já foi violentada duas vezes, primeiro quando foi violentada no sentido físico pelo ministro da igreja qual freqüenta e pela segunda vez teve sua dignidade estuprada quando a cúpula da igreja não tratou o caso como devia, ou seja, crime que deve ser denunciado a policia, além do impedimento do exercício ministerial.


Só para lembrar
A Palavra de Deus diz que “aquele que sabe fazer o bem e o não faz comete pecado” (Tiago 4:17), portanto, as cúpulas das igrejas que permitem que os lobos continuem a “cuidar” das suas ovelhas estão pecando, e ao meu ver é um pecado grave, pois, tão criminoso quanto aquele que violenta uma criança são aqueles que por omissão se tornam cúmplices deste crime.

Ora, os ministros que não servem para ser sal da terra e luz do mundo devem ser lançados fora (Mateus 5:13;14), e bem aventurados são aqueles que tem fome e sede de justiça (Mateus 5:6) e não se calam diante de um crime hediondo como este onde um adulto violenta sexualmente uma criança.

Doa a quem doer, o bom ministro “não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade” (1° Coríntios 13:6), por isso, os dirigentes das igrejas não devem se omitir e nem demorar para agir diante de um caso de violência sexual, pois, não tem condições de se manter no ministério aquele que é repreensível (1° Timóteo 3:2), aquele que age com violência (1° Timóteo 3:3), que dá mal testemunho (1° Timóteo 3:7) e não conserva o seu ministério com a consciência limpa (1° Timóteo 3:9).


Um pouco de ciência e informação
A pedofilia é um tipo de perversão sexual onde um individuo adulto, tanto do sexo masculino quanto feminino, se sente atraído sexualmente por crianças.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) classifica a pedofilia como desordem mental e/ou distúrbio de personalidade de um adulto, e em diversos países, inclusive no Brasil, a pedofilia é crime como punição prevista no código penal.

O pedófilo é o individuo que por meio do convencimento ou da força pratica relações sexuais ou libidinosas com crianças que não estão preparadas psicologicamente para tais estímulos ou ainda não sabem qual é a conotação ética, moral e religiosa sobre as atividades sexuais e nem mesmo suas possíveis conseqüências.

E é justamente por serem estimuladas sexualmente quando ainda não tem preparo psicológico para isso que as crianças vitimas de violência sexual não tem habilidade para lidar com a situação, por isso, acabam desenvolvendo problemas emocionais que se podem se refletir na sua vida adulta e podem ter efeitos devastadores a ele mesmo e a própria sociedade.

As primeiras linhas desta postagem foram redigidas falando da pedofilia quando praticada por líderes religiosos dentro das igrejas, mas este tipo de crime não acontece apenas dentro da igreja e nem é uma perversão praticada apenas por ministros, ela pode acontecer dentro da família, quando o pai, o irmão ou algum parente violenta a criança. A pedofilia também acontece fora de casa, quando praticada por um amigo da família, um professor, um vizinho e até mesmo um desconhecido.

Este tipo de perversão também não se restringe a uma determinada classe social e independe do nível cultural do criminoso e, infelizmente, tem sido assim desde sempre em praticamente todos os lugares do Brasil e do mundo.


O que se espera da Igreja
A maioria dos casos de violência sexual não são denunciados a policia, pois, a criança vitima deste tipo de violência tem medo e vergonha do ocorrido, por isso, quando uma criança ou família cria coragem e denuncia um caso de pedofilia envolvendo um membro do ministério à igreja não pode se omitir, pois, agindo assim a igreja violenta novamente a criança e dá a sua benção para que os pedófilos continuem a atuar e se multipliquem.

É importante que a Igreja ao se deparar com um caso de pedofilia dê todo apoio espiritual, psicológico e material a criança e sua família para que os traumas sejam minimizados, além de que, promovam a destituição do religioso para que a denominação demonstre seus valores e, principalmente, espera-se que denunciem o criminoso a policia, assim o caso servirá de exemplo aos demais que possuam a mesma tendência perversa.

O acompanhamento psicológico é indispensável, pois, crianças vitimas de violência sexual experimentam a terrível sensação de abandono e solidão, sofrem de baixo auto-estima, em alguns casos perdendo a confiança em todos os adultos a sua volta acabam cometendo suicídio.


As consequências do abuso sexual
Uma das conseqüências de um abuso sexual envolvendo uma criança é que quando ela se torna adulta elas podem apresentar dificuldades de relacionamento, podem vir a abusar de crianças, podem apresentar tendência a prostituição, ou então, desenvolver problemas psicológicos.


O que diz a lei sobre o pecado da omissão
As pessoas, as igrejas e os religiosos que se deparam com um caso de pedofilia e se omitem são tão criminosos quanto àqueles que praticam o crime de pedofilia e são passiveis de punição legal, pois, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, em seu artigo 17, afirma que toda criança e adolescente tem direito ao respeito, o que consiste na inviolabilidade da sua integridade física, psíquica e moral. E no artigo 18 é especificado que é dever de todos zelar pela dignidade das crianças e adolescentes, protegendo-os de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor.


O que já vi
Nos últimos anos tomei conhecimento de alguns casos de pedofilia ocorridos no Brasil na denominação que eu freqüentava, alguns deles tomei conhecimento através de conversas e outros pela mídia, em alguns casos a denominação destituiu o pedófilo do cargo e em outros simplesmente abafou o caso, assim como neste ultimo qual tomei conhecimento e me gerou indignação a ponto de escrever esta postagem.

Já vi circulares tratando dos mais variados e infrutíferos assuntos, sobrancelha, cabelo, roupas e até mesmo costeleta, porém, mesmo com o crescente aumento da pedofilia dentro da igreja nunca vi nenhuma circular chamando atenção e alertando o povo sobre este grave problema.

Já vi pessoas perdendo ou tendo a liberdade cerceada na igreja por muito pouco, por isso, fico extremamente indignado que visando proteger seu patrimônio financeiro/patrimonial e evitar escândalos a igreja opte em violentar pela segunda vez uma criança e sua família,  estuprando sua dignidade, ignorando, abafando o caso e  de certa forma abençoando seu ministro que confessou o crime de pedofilia.


Recado aos pais
Aos pais, fiquem atentos ao comportamento de seus filhos, mudanças bruscas de comportamento, apetite, sono podem indicar que algo errado está acontecendo, principalmente, se a criança demonstra perturbação/agitação sempre que uma pessoa em especifico está próxima dela.


Um depoimento
Abusos contra crianças deixam marcas indeléveis nas vitimas, e isto digo não porque acho que seja assim, mas sim porque eu mesmo já fui vitima desse tipo de violência quando criança... Hoje sou adulto, sei me defender, mas ainda assim a presença daquele que me abusou me perturba tremendamente... E eu com certeza acho que ele deveria estar preso, não apenas pelo que fez comigo, mas para proteger as crianças que estão a sua volta.


Aos ministros e as igrejas
Pedofilia é crime e quem se cala também violenta, a igreja não pode deixar de enfrentar seus próprios demônios. Não cometam o pecado da omissão, o preço da sua omissão é a dor de uma criança. Não podemos julgar os pecados das pessoas, mas podemos e devemos denunciar os criminosos a justiça. 


Pedófilos e crimes de pedofilia podem e devem ser denunciados discando 100 em qualquer localidade do país.

2 comentários:

Regina Farias disse...

Mário,

Excelente sua explicação e alerta. Excelente e oprtuna também a puxada de orelha em líderes que fazem vista grossa. Pois é... Pra isso eles não qeurem ser líderes...

Lembrei-me de um estudo que fiz quando ajudava um filho em sua monografia e que gerou o seguinte texto:
http://reginafarias.blogspot.com.br/2010/06/pedofilia-minha-opiniao.html
Dê uma olhada, se achar por bem.

Segundo a Psicologia, Pedofilia é um transtorno mental e só é considerado crime quando se dá O ATO.
Mas o certo é que pedofilia é uma doença da mente, portanto o pedófilo deve ser tratado como doente, sendo isolado da sociedade para ser tratado e, caso haja crime, que seja devidamente punido conforme a lei.

Como você diz com propriedade:
Quem encobre está sendo conivente. Já dizia minha bisavó que 'quem cala consente'. E o pecado de omissão é tão GRAVE quanto o de comissão. Tanto nas leis 'dos homens' quanto diante de Deus.

Fica também registrado o meu repúdio a essa prática hedionda!!!

Fique na paz e que Deus ilumine sua vida cada vez mais,

R.

Mario disse...

Regina,

Li sua postagem, como sempre, profunda e direto na veia... muito boa mesmo.

Abs,

Mario

Postar um comentário

Comente, elogie ou critique a postagem, mas se porte como cristão, não use "palavrões" e nem ofenda pessoas ou instituições.

Seguidores

Divulgação