quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Casamento com pessoas de "estranha fé"

19 comentários
Em Genesis 24, que trata da procura da esposa de Isaque, filho de Abraão, vemos que a solicitação de Abraão ao seu velho servo é  para que fosse até sua terra natal e em meio a sua parentela encontrasse aquela que seria a esposa de seu filho Isaque.

O servo de Abraão pediu um sinal a Deus para que saber qual seria a esposa de Isaque, e o sinal concedido por Deus indentificou que a esposa de Isaque seria Rebeca, filha de Betuel.

Notamos que a exigencia de Abraão para que a moça fosse da sua terra e parentela, contribui para a minimização de diferenças culturais entre casal, ou seja, provavelmente Isaque e Rebeca falavam o mesmo idioma e tinham a mesma cultura e costumes, provavelmente, a mesma crença, com isso não haveria muitos conflitos e nem imposições do marido para com a mulher, e vice-versa.

Não que não aconteça, mas convenhamos que não é muito comum que um muçulmano das arábias buscar uma uma esposa na Itália, um país predominantemente cristão-católico.

Mas, afinal, quando alguém é de “estranha fé”?

Segundo o dicionário, “estranho” é tudo aquilo que é de fora, sem qualquer ligação, impróprio, repreensível, por fim, diz que é aquele que não pertence a uma família ou corporação.

Então, alguém de estranha fé, seria aquela pessoa que não tem qualquer ligação com a fé que professamos, como somos cristãos, por exemplo, para nós são considerados de estranha fé: hindus, muçulmanos, espiritas, praticantes de religiões de matrizes africanas, etc. Do mesmo modo, nós somos de estranha fé para os referidos grupos.

Jesus veio ao mundo com mensagem de salvação para toda a humanidade, e deixou não muitos, e nem complexos ensinamentos. Todos estes ensinamentos estão contidos na Bíblia, que para os cristãos é a Palavra de Deus e  serve como única regra de fé e conduta, porém, da divergência de crença se entre os homens se origina diversas denominações religiosas, cada uma com suas particularidades.

Os protestantes, que são os precursores da reforma religiosa e que puseram fim ao domínio da Igreja Católica no campo religioso enfatizavam a “sola scriptura”, ou seja, reinvidicavam a Bíblia era a única fonte de autoridade e que todos os cristãos eram capazes de interpretar as Sagradas Escrituras.

Já os pentecostais e neo-pentecostais, surgido dos movimentos batistas e metodistas, criam no batismo pelo Espirito Santo, com evidência em novas línguas e curas divinas. O que difere o primeiro do segundo grupo, é que os neopentecostais são mais liberais quanto aos usos e costumes, além de que, pregam a teologia da prosperidade.

Existem ainda os grupos chamados de pseudo-cristãos, que possuem crenças especificas, consideradas pelos demais grupos cristãos como discordantes da Bíblia, por isso, são rotulados pelos demais grupos cristãos como seitas heréticas.

Independente das classificações que recebam e das placas que dão nome aos templos, todos os grupos, com exceção de algumas igrejas pseudo-cristãs, tem a sua fé estruturada nos seguintes pilares:

  • Crença em Deus, composto por três pessoas distintas: Pai, Filho e Espirito Santo.

  • Crença na Bíblia como sendo a Palavra de Deus

  • Crença em Jesus Cristo como redentor

  • Salvação pela graça, mediante a fé

  • Juizo final

Portanto, se cremos que somos filhos do mesmo Deus, acatamos a mesma Bíblia como regra de fé, cremos nas mesmas coisas e anunciamos unicamente o evangelho, não podemos dizer que nossos irmãos, apenas por pertencerem a diferentes denominações, não tem qualquer ligação para conosco ou não pertencem a familia de Cristo, portanto, não podemos afirmar que são de estranha fé, pois, estão ligados na mesma videira, que é Jesus Cristo.

Se “tronco” é o mesmo somos alimentados pela mesma raiz, ainda que sejamos ramos diferentes, não há como as nossas flores e os nossos frutos serem diferentes.

Certa vez vi um ancião respondendo a uma moça que o questionou sobre casar com pessoas que não pertencem a nossa igreja, ele disse: “Melhor que não casem com quem é de fora, mas é a moça quem deve saber se o escolhido lhe serve para esposo, se ele tem intenções sinceras e condições de manter um casamento”.

Abraão foi sabio ao pedir que a esposa de seu filho fosse da sua parentela e de seu país, dessa forma o casamento  de seu tendia a fluir melhor e sem muitos conflitos.

Não há nada que impeça que cristãos de diferentes denominações se unam em matrimonio, mas ambos devem ter consciência das diferenças existentes, e devem saber lidar com elas, e ao invés de ficar valorizando as diferenças existentes devem focar nos laços que ligam na fé, se possível, devem optar por uma única denominação, para que também estejam juntos na hora de louvar a Deus, nada impede que de vez em quando visitem a denominação da pessoa que cedeu, afinal, é sadio que periodicamente visitemos nossa familia tanto espiritual quanto material.

A probabilidade de um casamento entre pessoas de diferentes denominações dar certo é a mesma probabilidade de um casamento entre pessoas de uma mesma denominação, as pessoas são diferentes entre si por natureza, e como regem as leis da natureza: “os opostos se atraem”.

Já um casamento entre um evangélico com um espirita, religiões de matriz africana, budista, hinduista tende a não dar certo, pois, ambos tem visões diferentes sobre Deus e o mundo, portanto, um para o outro sempre serão “estranhos na fé”, ou seja, não terão nada que os ligue, além de considerarem a doutrina, um do outro, como repreensível e passível de conversão, isso pode ser  um ponto de conflito entre o casal.

19 comentários:

Regina Farias disse...

Mário,

Gostei do texto!

Você, como sempre lúcido! Aliás, pra mim, seu único defeito é ser da CCB rss brincadeirinha, sei que com vc eu posso brincar, na boa:)

Mas, voltando ao texto, que sabedoria em suas palavras. E um texto que me faz lembrar da vida de uma mulher extraordinária chamada Rute, mulher de cultura religiosa sinistra, que adorava deuses pagãos, que renunciou totalmente a sua herança cultural, que arriscou ser rotulada de "estrangeira" para acompanhar a sogra em demonstração de amor incondicional já que esta nada possuía a não ser grande amargura por ter perdido abruptamente filhos e esposo. Escolheu acompanhá-la fazendo uma linda declaração de amor inclusive ao Deus dela. Que o seu Deus seria dela também.

Com base nisso, concordo apenas em parte, com o seu último parágrafo. Talvez por minha veia romântica/sonhadora/esperançosa falar um pouco mais alto e acreditar que o amor verdadeiro derruba todas essas barreiras.

Noemi que o diga...

Abs,

R.

Cristão CCB disse...

Regina,

Também tenho essa visão um tanto romantica, também acho que o amor supera todas as barreiras, inclusive, o da religião, por isso, coloquei "tende" em negrito e grifado, pois, um tendência indica que é possível que dê certo também.

Eu convivo pacificamente, e até converso e aprendo com pessoas de outras crenças, se eu respeito, então, sou respeitado também.

Mas em se tratando de alguns domésticos na fé, se não conseguem sequer superar os muros de um cristão de outra denominação, jamais conseguirão superar as barreiras de diferentes crenças.

Fique na paz e no amor de Deus!

Abs,

Mario

Regina Farias disse...

Você agora arrematou com perfeita maestria.

Gostei.(parte II rss)

Fique vc também na paz e no amor de Deus!

MFF disse...

Triste essa visível "divisão" entre os cristãos. Como vc bem enfatizou nao há porque existir esse muro entre os crentes. Temos uma só fé, um só Deus, um só intermediador, Jesus Cristo. Mas temos algo medonho, mesquinho, cheio de altivez que concerne aos dogmas das religiões e denominações cristãs que sem nenhum temor a Deus, esses homens que tem uma responsabilidade enorme e se dizem "homens de Deus" tem o dom de provocar toda essa confusão e por não conhecerem as escrituras o povo se submetem à essas ditaduras religiosas, que massacram a liberdade, a espiritualidade e especialmente a paz do individuo. Esse cristianismo institucional mergulhado nas tradições humanas e recheado de doutrinas humanas há que cair como estão caindo os ditadores crueis do mundo árabe. Tudo o que não é de Deus - não permanece, porque não tem sustentação bíblica. Haja visto, a tsunami que vem sofrendo CCB na sua cúpula que hoje com todo tipo de escandalo que envergonha os que não são cristãos e o mundo. Deus não deixa ser escarnecido. Deus é justiça, misericordia mas também aos que estão diante do povo, deveriam multiplicar o cuidado em ensinar e examinar as escrituras para ensinar o certo para o povo e não fazer do evangelho uma tradição de costumes, de achismo, de convenção humana e em suma, fazer do evangelho simples e belo de Jesus Cristo, uma colcha de retalho, heresias e enfim chegar ao ponto de proibir cristão casar entre si porque nao frequentam a mesma denominação. Aqui na nossa cidade ocorreu algo assim: uma irmã ccb começou namorar um moço cristão de outra denominação - quase virou uma guerra. CCbeianos maldiziam o moço, afirmando que ele nao era salvo, teria que vir para a Graça CCB para ser um servo de Deus, uma verdadeira humilhação do moço que muito humilde aguentou calado entre outras coisas, que nao vale a pena repetir aqui. Resumo da história: Hoje faz 02 anos que estão casados e vivem muito bem e o mais estridente para CCB: nossa irmã que era auxiliar deixou a CCB e foi para a denominação dele. E só restou vergonha e confusão de mente porque junto a ela saiu mais 5 inclusive eu que numa cidade de 10000 habitante - imagine onde todos se conhecem o terremoto que foi. Hoje, nao sou mais juiz dos nossos irmãos em que adoram a Deus em outras denominações, agora sou cristão entre os milhares que formam o corpo de Cristo. Agora isso é força minha, é minha capacidade de mudar assim??? Nao, Nao. Basta abrir o coração e a mente para a verdade, para a palavra de Deus - as Escrituras que Deus vai nos abrindo o véu da sua Verdadeira Graça e nos liberta das algemas da religião que deveria nos fazer livre em Cristo mas nos prendem e nos sufocam em suas doutrinas humanas. Deus é dos fiéis nao importa a placa de sua denomiação, nao importa a liturgia, nem os costumes, o que nao podemos é sentirmos melhores e grande que os demais, isso vai contra as escrituras, porque a palavra de Deus diz:" Que bom que os irmãos vivam em harmonia" e outra parte diz qualquer quer crer em Jesus Cristo como seu único salvador está salvo e onde estiver dois ou mais reunidos em nome de Jesus Cristo, Ele se faz presente. Como podemos contradizer a Bíblia? Ou cremos inteiramente nas Escrituras Sagrada ou nas loucuras das doutrinas de homens que para infelicidade de todos,o resultado estamos vendo a cada dia que passa. Fiquem na paz de Deus e de Jesus Cristo - Nosso Salvador - O conselheiro e Principe da PAZ.

Keila Carvalho disse...

Realmente temos que avaliar muito bem o que interpretamos como estranha fé, eu sou exemplo claro, nasci em um lar cristão, não conheci o mundo, meu avô é diacono, minha avó da obra da piedade, e conheci uma pessoa, viuva, sua falecida esposa também era da ccb, namoramos por 5 anos e nos casamos, estou um pouco afastada da graça, mas não por esse motivo, estou sem forças e com muitas vaidades, afinal até meus 14 anos nunca havia cortado o cabelo, não pintava as unhas, não usava nenhuma maquiagem, sei que preciso me acertar com Deus, mas não sinto nenhuma acusação diante do meu casamento, me batizei com 14 anos, eu não sei se terei salvação, mas creio na miseriórdia de Deus.

Regina Farias disse...

Keila, perdão por intrometer-me mas não existe "um pouco afastada da graça".
Creio que talvez você quisesse dizer estar afastada dos costumes e regras exigidas pela cartilha religiosa da sua denominação. O que, diga-se de passagem, é bem diferente de GRAÇA.
Não seria isso?
No amor de Cristo,
R.

Regina Farias disse...

Leia os textos abaixo:

http://www.caiofabio.net/conteudo.asp?codigo=02777

http://www.caiofabio.net/conteudo.asp?codigo=03404

Anônimo disse...

Realmente casar-se com pessoa de outra denominação, não se pode dizer estranho a fé...Conheci uma irmã que viveu este dilema, mas aconselhei-a casar-se (desde que os dois se amam de verdade já é uma confirmação de Deus)eles vivem muito bem graças a Deus! Ela é CCB ele è Assembléia, tem um lindo casal de filhos. Dez anos de feliz união. Pedimos a Deus que esta união vá até o fim. Deus abençoe a todos...

Lucy´s Planet disse...

Bom dia a todos!

Só é possível entender uma situação dessas quem viveu ou vive essa realidade ...

Sirvo a Deus na CCB desde criança, e há 10 anos sou auxiliar de jovens e menores. Há alguns meses conheci um rapaz da Batista crente tb desde criança, porém, não batizado. Ele se manteve um pouco afastado da igreja por causa de fraquezas na fé, mas no desejo de voltar para a igreja. Segundo ele em um momento em que ele pedia ao Senhor que preparasse uma companheira que conhecesse a Palavra nossos caminhos se cruzaram.

Possuímos muita afinidade, gostamos das mesmas coisas e nos damos muito bem, nunca tive preconceito em relação a outras igrejas muito menos aos seus membros, considero que todos somos irmãos em Cristo. Respeitamos muito a opinião um do outro e concordamos em congregar nas duas igrejas, sabendo que a Palavra é o que realmente importa.

A questão é que na CCB ainda não expliquei a minha situação para o meu Cooperador de Jovens, pois imagino que a reação não será positiva e que na pior das hipóteses isso irá a instâncias superiores que me farão escolher entre o relacionamento e o ministério e liberdade ... Amo meu namorado e respeito muito a doutrina e os ensinamentos, por isso confesso que estou com muito medo. Já não entendo o conselho da Palavra porque meus sentimentos estão confusos, mas sei que preciso tomar uma decisão imediatamente.

A única coisa da qual realmente tenho certeza é de que não quero perder a graça do Senhor, e de que não entregarei minha carne e alma ao pecado.

Meu namorado está disposto a levar nosso compromisso a sério, quer casar e servir ao Senhor junto comigo, mas está chateado de me ver com medo e insegura em relação a tudo o que eu sinto.

Sei que independente da decisão que eu tomar terei que arcar com as consequências, preciso de coragem, de muita coragem...

Deus abençõe.
A paz de Deus.

Mario disse...

Lucy's,

Isso varia de ministro pra ministro, já vi casos em que um auxiliar passou a namorar uma assembleiana, coitado, foi pressionado, e a moça acabou migrando para a CCB.

Se há amor e as intenções são sérias, já é uma confirmação.

Siga o teu coração e a voz de Deus!

Mario

PS.: a voz de Deus não é a voz do ministério

Lucy´s Planet disse...

Obrigada pela prontidão em responder Mario!

Na minha comum tem dois casos assim, um músico e uma organista começaram a namorar um moço e uma moça da Assembléia, a pressão foi tanta que ambos se batizaram na CCB e se casaram em seguida ...

Não quero que meu namorado faça nada por imposição, se não for por amor a Deus tenho medo de ele não permanecer.

Concordo, mas e quando a pregação é justamente o que diz a doutrina? A cerca de um mês ouvi uma Palavra que me deixou amedrontada ... entre tantas afirmações o irmão dizia: "Se vc busca a confirmação pra casar dentro da doutrina está confirmado, se não, o Senhor não confirma" ... Muito duro né?

Entendo a voz do Senhor, e ultimamente todas as palavras que tenho ouvido traduzem amor e misericórdia, creio que quando existe sinceridade o Senhor olha com compaixão e perdão, mesmo errando creio que ele vê nossa boa intenção, e a minha Mário é honrar a Deus sob todas as coisas.

Deus abençõe.

Mario disse...

Por tradição, membros da CCB não se casam com crentes de outras denominações denominações evangélicas.

Bom, o que é doutrina? ... é a Palavra de Deus, nossa doutrina diz que nós cremos na inteira Bíblia como sendo a Palavra de Deus, e que ela é nossa única regra de fé e conduta, por isso, o que te digo é busque na Bíblia a sabedoria para lidar com essa situação, peça a guia do Espirito Santo, entregue sua vida nas mãos de Deus e deixe que ele a dirija, afinal, o mesmo Deus que fala no coração dos ministros pode falar com você também.

Quanto a Palavra, faça como nos orientou o apóstolo Paulo nos orientou, julgue tudo e retenha o que é bom, há muitas Palavras que são guiadas por Deus, mas existem palavras também que são pregadas pela carne, uma coisa é certa, Deus não se contradiz, então, se a Bíblia diz uma coisa e um ministro disser outra, fique com a Bíblia, afinal, é ela a nossa regra de fé, pelo menos é o que diz nossa doutrina.

Sei que não é fácil esta situação, mas poderoso é Deus para te dar uma saída, assim como, um dia abriu o Mar Vermelho para seu povo passar.

Fique na paz de Deus!

Lucy´s Planet disse...

Amém Mario, Deus abençõe pelos conselhos que você se dispõe a dar. Muitas vezes ninguém nos entende e precisamos de alguém que simplesmente nos ouça (nesse caso leia) e nos aconselhe de alguma maneira.

Obrigada!!!!

A paz de Deus!

Mario disse...

De fato, essa cultura do medo faz com que soframos calados, tudo porque temos medo de perguntar, por isso, é que muitos erram, enfrentam sozinhos.

Quem pergunta não blasfema contra o Espirito Santo, quem pergunta quer aprender pra não errar.

tico disse...

sou auxiliar da ccb o mais velho e ensino aos meninos que deve seguir a tradição porem nesses meus 10 anos de auxiliar já vi muitas coisas muitos perderem a vida espiritual e até material eu a acho que muito se fala e nada se faz , ue acho que o ministério não precisaria esperar cair da graça tinha de agir quando ainda é tempo depois de anos e anos na igreja ve que a doutrina é ´perfeita mas o homem não,,já fui o auxiliar mais cascão que existe mais certo mais dedicado e... hoje namoro uma moça de outra igreja estou tentando levar ela para a nossa eu discordo da doutrina da igreja dela e devagar estou explicando o que é certo mas não é fácil tem de gostar muito para ultrapassar essas barreiras busquei a palavra para saber o que fazer e o senhor falou para deixar nas maos dele.. Eu nunca naorei uma moça de outra denominaçao ,mas falei para ela q eu quero ela junto comigo dei um tempo para ela organizar a vida dela . rodrigo

Erica Serpa disse...

Eu não consigo ler algo assim, como o testemunho da Lucy, e não chorar.

Comigo aconteceu algo parecido, mas, sutilmente, tiraram a "culpa" da denominação para outros detalhes.

Nai Rodrigues disse...

também namoro um rapaz da deus e amor e dificil,porque nem ele abre mão da dele e nem EU da minha, mas nós nos amamos muito e toda essa situação me trás duvida porque, Deus fala pela sua palavra que aonde ha duvida ali ele não habita

Sonia Martendal disse...

Particularmente , achei muito interessante e inteligente este post, tenho vários amigos e alunos da CCB...mas me ficou uma dúvida:
Sou católica. Sou considerada pela CCB como "de estranha fé"?

HP disse...

Sonia, infelizmente sim. Os da CCB te consideram idólatra e estranha a fé.

Agora se pra você Jesus é o Senhor da tua vida, você é minha irmã.

Deus te abençoe!

Postar um comentário

Comente, elogie ou critique a postagem, mas se porte como cristão, não use "palavrões" e nem ofenda pessoas ou instituições.

Seguidores

Divulgação