sábado, 6 de fevereiro de 2010

Crentes mecânicos, orações mecânicas

2 comentários
Um dia desta semana, tarde da noite, deitado em minha cama, estava meditando sobre o que eu disse a uma pessoa que me relatou que não tinha forças de orar a Deus, e que quando se colocava de joelhos tudo que fazia era chorar até dormir.

Eu não disse nada demais, disse apenas que quando ele não encontrasse palavras próprias para dirigir-se a Deus, que ela orasse então a oração do Pai Nosso, que é uma poderosa oração.

Daí comecei a meditar no significado de cada verso da oração descrita em Mateus 6, e vi que para muitos cristãos, muitas coisas são ditas da boca pra fora.

Para exemplificar o que estou falando, quando oramos a oração do Pai Nosso dizemos: “e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores” Mateus 6:12

Não é diferente quando oramos nossa oração particular, ou seja, também pedimos que Deus perdoe todos os nossos pecados.

O que estou querendo dizer é que muita gente faz uma oração mecânica, nunca parou para pensar no significado das palavras que profere em suas orações, como a do Pai Nosso, por exemplo.

Quando temos o perdão das nossas dividas, temos que ser pró-ativos em perdoar os nossos devedores, nunca tinha parado para pensar que se não fizermos isso tornamo-nos semelhante ao homem qual narra o texto abaixo:

“E, passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que lhe devia dez mil talentos. Não tendo ele, porém, com que pagar, ordenou o senhor que fosse vendido ele, a mulher, os filhos e tudo quanto possuía e que a dívida fosse paga. Então, o servo, prostrando-se reverente, rogou: Sê paciente comigo, e tudo te pagarei. E o senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou-o embora e perdoou-lhe a dívida. Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem denários; e, agarrando-o, o sufocava, dizendo: Paga-me o que me deves. Então, o seu conservo, caindo-lhe aos pés, lhe implorava: Sê paciente comigo, e te pagarei. Ele, entretanto, não quis; antes, indo-se, o lançou na prisão, até que saldasse a dívida.” Mateus 18:24-25

.

O mesmo se aplica aos Hinos de Suplicas e Louvores que entoamos, devem ser mais que palavras balbuciadas, deve ser regra de fé. Vejamos o hino 185 que segue mesma linha do "perdoar e ser perdoado":

.

"Perdoa o teu irmão - De todo o coração,

assim terás cumprido - O santo mandamento;

Também terás perdão – E paz no coração,

Por Deus serás benquisto – Sublime é o perdão”

.

E aí, você é dos que é perdoado e também perdoa???


2 comentários:

Regina Farias disse...

Olá, Mário!

Graça e Paz!

É verdade...

E a gente ora sem atentar para o que nós mesmos dizemos, sem prestar a devida atenção para o comprometimento que assumimos COM DEUS!!!

Veja:

“e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores” Mateus 6:12

Esse "ASSIM COMO" traz em si uma responsabilidade, um condicionamento, um compromisso que assumimos com Deus e que se torna CONDIÇÃO para que sejamos perdoados.

Ou seja: eu peço que Ele me perdoe SE e QUANDO perdoamos de fato àqueles que nos devem, nos ofendem, nos ferem, etc.

É por causa desses atos mecânicos/alienados que as igrejas estão abarrotadas de gente com a alma doente, de gente "crente" que está tendo um relacionamento de amor com Deus enquanto seu coração está cheio de rancor e ressentimento, mas confiante equivocadamente/tolamente/pretensiosamente/cegamente que estando no Templo do Senhor, Templo do Senhor, Templo do Senhor, está "a salvo".
A esses que assim pensam, Deus já alertava por meio do profeta Jeremias (caps 7 e 8)

Ora, o que nos aproxima de Deus é o AMOR derramado em nossos corações pelo Sacrifício do Cordeiro.


Meu carinho,
R.

jeter disse...

Saudações,

Deus abençoe por esta postagem de grande ensinamento.
Jeter - CCA

Postar um comentário

Comente, elogie ou critique a postagem, mas se porte como cristão, não use "palavrões" e nem ofenda pessoas ou instituições.

Seguidores

Divulgação