terça-feira, 21 de abril de 2009

Relato de uma reunião com o ministério

20 comentários
Acabo de sair de uma reunião de anciães para com todos os cooperadores de jovens e menores e todos os moços(as) auxiliares de jovens da minha localidade. 


A igreja estava cheia, quem fez a abertura da reunião foi um nobre servo de Deus, um nortista de pouco estudo e imensurável sabedoria espiritual e material, um homem de muito rigor e que fala com franqueza e clareza. 

Buscamos a face de Deus em oração e após isso o Senhor mandou sua palavra, I Coríntios 13, o mesmo ancião fez uma belíssima e edificante exortação sobre a excelência da caridade.

Em seguida foi feito a leitura dos tópicos de ensinamentos dirigidos aos auxiliares de jovens e menores, houve alternância entre o ancião que fez a abertura da reunião e outro ancião de também boa eloqüência. Foi-nos lida uma lista contendo 17 ensinamentos, alguns repetem itens de reuniões do passado e outros foram criados e/ou adaptados.

Até a leitura do 7° ensinamento a igreja permaneceu em um grande silêncio, poucos ruídos aqui e acolá, porém, ao chegar no 7° ensinamento houve grande alvoroço no meio dos moços e também das moças auxiliares, pois, tratava-se do corte de cabelo para as mulheres, rasgos na saia, blusas de “manguinha”, namoro aos de estranha fé e as costeletas dos irmãos, neste momento foi possível ver que a mocidade é mais aberta nestes quesitos e que muitos até debocharam de tais ensinamentos. 

Mas o alvoroço logo passou, a ordem foi restabelecida, e deu-se prosseguimento a leitura dos demais tópicos de ensinamentos, tudo novamente discorreu bem, até a leitura do 14° tópico de ensinamento, onde têm instruções acerca de moças não crentes, vestidas com calças compridas e com desejo de recitar, a instrução é que a moça seja esclarecida sobre a nossa doutrina, sem humilhar, que da próxima vez que vier e se estiver devidamente trajada ela poderá recitar, grande alvoroço se instalou na igreja, era possível escutar discussões onde os irmãos questionavam uns aos outros sobre onde ficaria a caridade para com tal moça, outros questionavam uns aos outros de quem seria a responsabilidade por uma alma que se sentindo humilhada e excluída saísse da igreja com a intenção de nunca mais voltar, e lançando-se no mundo nunca mais buscasse a Deus por entender que ele a rejeita por causa de suas vestes. Neste momento, várias perguntas foram elaboradas em papel tanto pelos moços quanto moças e enviadas para os anciães presentes, que primeiro contemplavam o assunto, e então, entregavam ao ancião que presidia a reunião para que ele respondesse a mocidade. 

Não satisfeitos com a resposta dada, a mocidade continuava a indagar o ministério através de bilhetes perguntando onde estaria a caridade ensinada pela palavra exortada antes da leitura dos tópicos de ensinamentos e se não deveríamos receber a pessoa como ela está para ganhar uma alma do mundo, e deixar que o Senhor Jesus a limpe daquilo que for considerado imundícia. Os irmãos foram irredutíveis, não pode, não pode e acabou. 


Disseram que uma sociedade não pode mudar as regras porque apenas um de seus membros não se enquadra nelas, assim como a policia não pode ser “caridosa” com os bandidos, senão eles continuarão a estuprar nossas filhas e matando gente de bem, por fim questionou aos moços e moças onde estava a caridade de Jesus ao acabar com o comercio dentro do templo, também falaram a mocidade sobre uma passagem das escrituras onde um noivo que não trajava as vestes de núpcias conforme o costume e por isso foi amarrado e lançado no abismo, o ancião ainda disse: “esse é o Senhor Jesus.” Na hora eu me questionava se Deus é amor, como pode Jesus salvador ser este carrasco? Prefiro acreditar que o irmão se referia a outro Jesus.

Da mesma forma também houve questionamento sobre o tópico que instruía acerca de pai/mãe solteiro(a) recitar nas reuniões de jovens e menores, pois, tal ensinamento diz que não se deve. 

O questionamento foi se poderiam recitar pai/mãe solteiros que recebessem o batismo após o nascimento do filho, pois, somos ensinados que os pecados são perdoados nas águas, e que é nascida uma nova criatura quando um pecador se arrepende e passa pelas águas do santo batismo. A princípio o ancião disse que nova criatura é, porém, não convém que recite por causa das experiências que já teve. Neste momento uns perguntavam aos outros se o batismo limparia ou não o pecador, pois, em teoria o irmão disse uma coisa e na pratica nos orientou a outra.

Alguém, através de bilhete, numa espécie de reclamação, questionou aos anciães sobre a obrigatoriedade dos "estudos bíblicos mensais", já que algumas congregações não estavam realizando.

O ancião respondia que o ensinamento é para todos e  que deve ser obedecido, disse que geralmente os cooperadores que não fazem o estudo uma vez por mês, muitas vezes, não fazem por falta de conhecimento bíblico ou medo de não conseguir atender as perguntas que surgirem. Neste momento eu não me contive, levantei a mão e quando ele me cedeu a palavra questionei ali do banco e em voz alta, que sendo do conhecimento dos anciães essa deficiência no meio dos cooperadores de jovens e menores, se não seria conveniente a CCB elaborar um material impresso para estudos, pois, desta forma teriamos um material de apoio que seria util tanto para as crianças/jovens quanto para os cooperadores menos preparado para o ensino... meu coração quase saiu pela boca nesse instante, tamanho o nervosismo.

Era notório a minha tensão ao fazer tal questionamento e também  do ancião que respondeu, o ancião me deu a razão, mas, disse que fazer isso foge dos ensinamentos da CCB, que é maléfico para a edificação espiritual porque engessa a Palavra de Deus. 


Muitos dos moços sentados próximo  de mim me elogiaram pela audácia e coragem de fazer a pergunta abertamente, ou seja, não se valendo do anonimato que os bilhetes concederam aos demais questionamentos.

Nem precisa dizer que a reunião passou bastante do horário, pois, muitas e variadas foram às perguntas.

O que mais me chamou a atenção nesta reunião é que a mocidade não é tão leiga nas Escrituras como muita gente pensa (ou eu pensava), que não seguem cegamente ao ministério, que a mocidade têm plena consciência de suas responsabilidades como cristãos e anunciadores do Reino de Deus e também dos seus direitos constitucionais. 

Também foi possível ver que os anciães ainda não estão preparados para enfrentar essa geração que fazem tantos questionamentos, porque, antes tudo era aceito sem nenhuma resistência.

Ao final, o ancião que presidia disse que vivemos numa democracia espiritual, que muito proveitosa foi a reunião, e que foi muito bom os moços e moças auxiliares fazerem as perguntas, e que ninguém deveria voltar para casa preocupado se deveria ou não fazer as perguntas que fez, a liberdade para novas perguntas foi encerrada por causa do horário bastante avançado e com o irmão argumentando que doce de leite é bom, mas, só quando a gente come uma colherzinha, e que quem come um pote de doce de leite enjoa e nunca mais quer comer, então, as demais perguntas ficariam para outra oportunidade e poderiam ser tiradas pessoalmente com os anciães.

Pelo que percebi a mocidade está ciente da necessidade do amadurecimento da CCB em alguns pontos, que muitos não apenas oram ao Senhor clamando tais mudanças, mas questionam aqueles que podem promover as mudanças. Penso que se os irmãos que estão no ministério agora não forem assimilando lentamente as mudanças que são necessárias e o anseio desta mocidade (a igreja de amanhã), quando esta geração estiver a frente da instituição as mudanças podem ser muito bruscas ao ponto de tornar a CCB insuportável aos que estão dentro dela e são contra tais mudanças, os próprios anciães que um dia vão ter que ceder espaço aos mais novos para que se dê a continuidade deste movimento iniciado a quase 100 anos pelo nosso irmão Luís Francescon conjuntamente com outros irmãos(ãs).

20 comentários:

Dead_Violin disse...

Fantástico! Essa geração velha, carcomida e ultrapassada vai acabar saindo, não tem jeito.

Cristão CCB disse...

Ir. Dead, o evento apenas demonstrou que a igreja do amanhã será diferente porque as cabeças daqueles que a conduzirão são diferentes dos que hoje estão no comando da igreja. Apesar da CCB ter alguns erros não quer dizer que ela seja de toda errada. Como está escrito em Eclesiastes 3, para todas as coisas tem um tempo determinado por Deus, e para tudo há um propósito debaixo do céu. Os jovens não são melhores e nem piores,mas, apenas diferentes.

Deus abençoe!

Anezio Alves disse...

Prezado Irmão Mário, fantástico seu depoimento dessa reunião. Fantástico também é saber que há gente se mexendo por tudo quanto é lado procurando adequar a CCB à doutrina de Cristo. Fico feliz em saber que esse clamor por renovação, por adequação às escrituras está se tornando cada vez mais uma pedra no sapado do ministério, que uma ora ou outra vai ter que tomar uma providência a respeito até mesmo para a própria continuidade da denominação.

Anônimo disse...

A própria Palavra de Deus diz que a Verdade nos libertará.
É saudável certos questionamentos, pois, os mais antigos, embora espirituais, muitas vezes não acompanharam o desenvolvimento da juventude.
O inimigo lança novas armas todos os dias e como crentes precisamos estar preparados para enfrentarmos.
O meu conselho é que os jovens procurem questionar, expor suas idéias, porém, sempre com fundamento na Palavra de Deus e com todo o respeito aos mais antigos. A Graça de Deus é multiforme e Deus opera segundo a medida da fé e entendimento de cada um.
Até certo ponto há de se considerar o posicionamento do ministério acerca dos trajes,mas temos que usar o amor, bem lembrado.
Daqui a pouco vai ter gente com piercing no nariz, nos lábios querendo recitar e vira bagunça.
Na igreja de Deus tem que ter ordem e decência.
Não é porisso que vamos tratar os que ainda não se converteram com indelicadeza. Temos que mostrar que somos Cristãos e que temos o amor de Deus. Muito bom o que está acontecendo. Deus continuará operando e devagar as cousas irão se encaixando conforme a atualidade.

Daniel Pereira disse...

Coisa linda hein!

Que vontade de estar presente numa reunião destas.

Creio que teremos dias melhores.

Paulo Henrique dal Santon disse...

Na minha região vai ter uma reunião dessas com os cooperadores e auxiliares - Regional de Fernandópolis, quero só ver como vai ser ...

Anônimo disse...

Esse negócio de falar que tudo é amor é certo. Porém para tudo há excessão. Precisamos tomar cuidado para não deixar a igreja se tornar uma bagunça.
No novo testamento há exemplo de como pessoas que cometem erros podem ser punidas duramente.
Por que ninguem comenta o que aconteceu com Ananias e Safira quando mentiram a respeito da oferta no livro de Atos?
Irmão Mario, poderia comentar?

Cristão CCB disse...

Amado(a) a paz de Deus!

Em Atos 5, que narra a morte de Ananias e Safira, não podemos nos esquecer que eles pecaram contra o Espirito Santo, e segundo a Palavra de Deus, o pecado contra o Espirito Santo não tem perdão (Mateus 12:31).
Como o irmão(ã) destacou para tudo há exceção, um exemplo é o caso da mulher adultera (Ev. João 8) que pela lei deveria se apedrejada, mas Jesus tendo misericórdia a livrou da dura punição, Judas também não recebeu uma dura punição por entregar Cristo aos seus assassinos, e olhe que ele traiu a Jesus. São muito mais os exemplos de misericórdia e amor de Deus do que os de punição, por isso, penso que Deus não age com violência.
Não sou eu que digo que Deus é amor, mas a palavra (I João 4:8), nem sou eu quem fala que Deus ama ao homem, novamente, é a Palavra de Deus(João 3:16, João 15:13).
Neste caso relatado no blog, e que você nos brindou com um comentário, note que os moços(as) estavam preocupados converter a pesssoa, por isso, a acham que devem aceitar come ela é. Não se esqueça que "haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento" Lucas 15:7, e que devemos anunciar o evangelho a toda a criatura (Marcos 16:15).

Ninguém pode impedir a Deus para com os seus (Romanos 8:35).

Continue a nos visitar e nos ajude a crescer em entendimento com seus preciosos comentários.

Deus abençoe!

Samuel disse...

A Paz de Deus Irmão Mário,

Deus o abençoe pelo relato dessa reunião. Fui auxiliar por uns 8 anos na década de 90 e nunca soube de uma reunião como essas. Acho que deve ser uma novidade e muito positiva.
Agora com relações as mudanças acho que precisamos sim e elas virão com o tempo. É muito bom saber que os jovens estão questionando e estão preocupados com o crescimento da obra. Diferente de muitos que só querem ver a destruição da CCB, creio que tem muitos que gostam muito de sua igreja e querem ver ela crescer e melhorar. A crítica vindo destes é sempre muito bem vinda.

Agora com relação as mudanças creio que,com razão, os anciãos tem bastante aversão as mudanças. Concordo com eles, pois como dizem aí fora, porteira que passa um boi, passa uma boiada inteira (me desculpem a expressão). Se liberam uma irmãzinha a recitar usando calças (sou a favor de liberar) daqui a pouco teremos irmãs usando piecing, mini-saias, tomara-que-caia entre outras coisas que vão acabar com a ordem e identidade da igreja.
Uma coisa que gosto muito na CCB é como o irmão falou, a simplicidade nos cultos continuam a mesma. São só 4 microfones, algumas caixas, uma orquestra maravilhosa e a querida irmandade (mulheres separadas do homem).
Temos o direito e devemos manter nossa identidade.

continua

Samuel disse...

Outra coisa, não podemos garantir que o estudo bíblico vai garantir a integridade espiritual e nos livrar das armadilhas do adversário. É sim uma excelente ajuda e muito importante. Mas é a presença de Cristo no coração que nos dá força e nos livra das tentações por mais fortes que sejam. Não podemos atribuir erros cometidos por nossa geração a falta de estudo bíblico como muitos dizem.
Tome como exemplo um jovem que no momento que sofre uma tentação por uma bela jovem do mundo querendo arrastá-lo para o pecado da fornicação. Nessas horas irmão, o sangue sobe a cabeça, e qualquer passagem bíblica naquele momento some da mente, pode ter certeza. Mas se o jovem lembrar e olhar para Cristo saberá que dura morte ele sofreu na cruz para nos salvar, e que se ele pecar está fazendo pouco o sacrifício de Jesus, conseguirá escapar dessa tentação.
Outro grande problema que o estudo bíblico está provocando nessa nova geração de evangélicos é de, mesmo que involuntariamente, ensinar que a Graça de nosso Senhor Jesus Cristo é um atestado que os dá direito de pecar, errar a vontade e se entregar as ofertas do mundo sem problemas, pois a Graça já está garantindo a salvação. Esse erro é tão ou mais grave do que considerar a graça como uma igreja.
O costume de "ficar" entre os jovens evangélicos ficou algo tão comum que acredito que atinge uns 90% dos jovens evangélicos (não tenho nenhuma pesquisa para comprovar isso) mas quem convive no meio sabe do que estou falando. Vi uma pesquisa (não sei como obtiveram os dados) que 60% dos evangélicos de hoje admitem ter relações sexuais antes do casamento.
Sei muito bem que isso ocorre também na CCB, mas aí mostramos que a falta de estudo bíblico não faz nossos jovens mais ou menos crentes que os outros.

continua

Samuel disse...

No meu trabalho conheço dois evangélicos de outras denominações que conhecem muito bem a bíblia. Um deles já ficou com umas 4 mulheres e o outro duas. Tudo na mesma empresa. Um terceiro evangélico já ficou com uma mulher casada, também na empresa. Um quarto (esse da CCB) ficou com uma outra mulher que tem uma fama que não posso citar nesse blog.
Imagina como está a imagem dos evangélicos nessa empresa que trabalho. Tenho certeza que não é um caso isolado. Os jovens em geral estão perdendo muito o respeito pelas coisas de Deus. Não digo para sermos fanáticos e super-crentes como o irmão costuma dizer. Porém temos que achar um certo ponto de equilíbrio. Já há pastores recomendando os jovens a utilizar camisinha. Já existem alguns dizendo que não há problema no ato de "ficar" (um costume do Diabo na minha opinião).
Infelizmente no mundo evangélico ou se é fanático ou liberal demais.
Não relatei essas coisas paa denegrir a imagem das igrejas evangélicas, afinal sou evangélico e frequento a CCB há 25 anos. Só quero mostrar que a falta de estudo bíblico não é o motivo pelo qual coisas estranhas a doutrina vem ocorrendo na nossa igreja. Isso vem ocorrendo em todas as igrejas e é um sinal de que o inimigo cada vez mais investe contra o povo de Deus e mais do que nunca precisamos de Jesus no coração.

Deus abençoe pelo espaço no blog. Peço por favor para comentar a respeito desse post.
Continue firme no blog

Cristão CCB disse...

Amém!

Ir. Samuel,

Antes de mais nada obrigado pelo comentário.

Você tem razão em dizer é necessário cuidar para que as mudanças não gerem desordem, certa vez congreguei numa denominação tradicional e não me conformei com uma moça que sentou ao meu lado, ela trajava um vestido curtissimo (uns 3 palmos acima do joelho) que ja deixavam suas pernas a mostra enquanto estava em pé, sentada então as pernas ficam inteiras expostas. Pensei comigo: isso é roupa de vir pra casa de Deus? Será que ela não sabe que esta tirando a comunhão dos irmãos (ao menos a minha conseguiu tirar - eu sou humano né?)?
Mas quanto a separação dos assentos já discordo de você, que coisa bonita é ver marido e mulher ouvindo a palavra juntos e mostrando cumplicidade de quem sabe que Deus está falando com o esposo(a), eu vi isso nessa igreja tradicional. Eu mesmo nunca levei uma testemunhada na igreja, penso que ela não se sentirá bem ficando sozinha num ambiente onde tudo é novo pra ela, sem ela saber como se portar e a única pessoa que ela conhece estar sentado separado.

continua....

Cristão CCB disse...

É verdade que o ensino bíblico não assegura a integridade espiritual e o livramento das ciladas do inimigo, porém, o conhecimento nos faz conscientes dos nossos erros, serve no minímo para nos fazer refletir antes de cometermos um delito e depois também, permite avaliar quais as consequencias dos nossos erros para nossa vida espiritual. Além de que uma boa formação bíblica nos prepara para evanegelizarmos adequadamente outras pessoas, ou seja, quanto mais tivermos contato com o evangelho menores são as chances de estar em contato com o inimigo, quando a gente prega a alguém também pregamos para nós mesmos.
Sabe irmão as vezes penso que precisamos de homens como você no ministério, alguém que instrui acerca da vida espiritual mas que não ignora que temos uma natureza carnal, sei bem do que o irmão está falando a respeito das coisas sumirem das nossas cabeças em determinados momentos, são muitos os pratos do adversário, e se a gente piscar a gente acaba errando e sendo tragado para o mundão, mas, isso aprendemos sozinho porque as vezes na igreja é ignorado que em nós jovens ccbeianos borbulham os mesmos hormonios que nos jovens mundanos.
Mais proveitoso seria instruir acerca dos pecados antes que ele ocorressem, como bem sabemos o cenário é muito doloroso para o ccbeiano que "peca" (entre aspas porque todos pecamos, o que difere são os tipos de pecados). Tem gente que acha que só adultério e fornicação é pecado, não entende que sua língua malidicente e o habito de julgar seu irmão também nos faz errar na presença do Senhor.

continua.....

Cristão CCB disse...

Também é do meu conhecimento que na atual conjuntura os jovens evangélicos estão cada vez mais levianos, pensava sobre isso esses dias, um moço na empresa qual trabalha é evangélico de outra denominação deu a entender a que ele sua noiva mantém relações sexuais, e eu me peguei a pensar se seria errado, afinal, eles estão juntos há muitos anos, estavam construindo para casar, cheguei a conclusão que não dá para flexibilizar, pois, tudo pode mudar mas a palavra de Deus continuará sendo a mesma, portanto, pecado continuará sendo pecado.
Infelizmente a realidade da CCB é a mesma que na maioria das denominações evangélicas, os jovens tornaram-se levianos demais.
Acho que as coisas caminham para onde caminham por falta de doutrinamento, adianta ver que estão tomando caminhos tortos mas não apresentar o caminho certo?

Deus abençoe!

Um abraço fraternal.

Anônimo disse...

apd a todos da ccb sou axiliar d ejovens gostaria muito de saber se os irmaos conhecen o jovem chamado laurino de currais

Anônimo disse...

bom o dialogo e bom mas vejo que muitos querem uma porta aberta a igreja constituida que foi pela guia dos mais antigos tem uma pureza ineggggualavelporem a aberturas destes marcos quero dizer o esquecimento destes pricipios levaria ha um pouco caso de quem lutou pela fe vejo uma geraçao questionando uma questao de demasia doutrina maneira de servir atitudes situaçoes que pela guia de Deus nos momentos que forem ocorridas ele mesmo fara mensao do que devera ser feito , uma questao que levanto aqui o que foi constituido com oraçao estas endo desfeito com discuçao em salas as vezes chamamos algum velhinho de radical mas pese bem quem esta sendo radical ????????concordo com ideias mas discordo damaneira que sao colocadas fazendo da nossa entidade um ajuntamento de descontentes gente fala serio em vamo para com isso
valeu apdd

Cristão CCB disse...

Amado(a), a paz de Deus!

Ou nós cremos na Bíblia com sendo ela a Palavra de Deus inspirada ao homem pelo Espirito Santo e a nossa única regra de fé ou conduta, ou risquemos o nosso primeiro ponto de doutrina.
Note bem, o que se questionou foi o posicionamento dos nossos ministros sobre dadas situações, que confritava com a própria palavra pregada naquela manhã, sendo assim, questionar não é desvalorizar o que já foi feito pelos mais antigos e nem mostrar que somos uma seara de descontentes, mas apenas aceitar Bíblia como única regra de fé e conduta. Da mesma forma que os membros devem ser humildes em escutar os conselhos dos ministros, nossos ministros devem ser humildes em saber escutar esses questionamentos, mudar algo por conta de um questionamento não é desonroso em nem vergonhoso, é permitir que sejamos aperfeiçoados pelo poder do evangelho. O nosso erro é pensar que nossos ministros não erram, eles são de carne e osso, como nós, por isso, nem tudo que foi constituido através de oração é a coisa certa a ser feita, ou por uma acaso algo decidido com oração pode negar a própria Bíblia.
Engraçado, quando um ministro é criticado por algo que disse/fez logo acham que estamos blasfemando, afinal, ele tem a guia de Deus, mas quando um membro guiado pelo Espirito Santo aborda um assunto que nossa instituição não comenta, logo chamam ele de atribulado. Enfim, somos todos templo do Espirito Santo, Deus elegeu a todos nós como sumo sacerdotes, Deus jorra água limpa e cristalina a todos que se achegam a fonte (Bíblia) com sede da verdade, portanto, juntos (ministros + membros) podemos fazer da CCB uma igreja realmente cristã.

Deus abençoe!!!

Anônimo disse...

Que susto!! Pensei q todos aqui tinham essa falta de sabedoria para cogitar os ensinamentos dessa forma e dizer q a geração da ccb vai se atualizar e mudar os ensinamentos!!Tais comentarios são vergonhosos, ainda bem q ainda temos irmãos sabios no nosso meio q por certo naum vão deixar a ccb virar bagunça assim atrapalhando nossa ligação com DEUS ! Cuidado com oq vcs leem e falam ok apdD

Cristão CCB disse...

Não se trata da nova geração se "atualizar", mas curvar-se a Bíblia, aceitando-a verdadeiramente como infálivel Palavra de Deus e nossa única regra de fé conduta.

Muitos temem uma reforma na CCB, mas como bem disse o Charles em seu blog: "a reforma já aconteceu", basta confrontarmos a CCB da atualidade com a CCB em suas prímicias, o mesmo acontece quando confrontamos a nossa realidade institucional com a Palavra de Deus.

Realmente como bem lembrou o irmão anônimo (comentário acima), temos que ter cuidado com o que lemos/escutamos, os leitores deste blog devem ser cuidadosos em checar o respaldo bíblico do que aqui se escreve, o mesmo se aplica para os ensinamentos editados pelos nossos anciães, pois, assim como esse mero humano que edita este blog erra, os nossos ministros, que também são de carne e osso, também erram.

Como disse Martinho Lutero em seu sermão de natal em 1522: "Ah! Se Deus permitisse que minha interpretação e a de todos os outros mestres desaparecessem, E QUE CADA CRISTÃO PUDESSE CHEGAR DIRETAMENTE À ESCRITURA APENAS, E À PURA PALAVRA DE DEUS! Percebe-se já por esta tagarelice minha, a incomensurável diferença entre a palavra de Deus e todas a palavras humanas e como homem algum pode, com todas as suas palavras, adequadamente alcançar e explicar uma única palavra de Deus. Trata-se de uma palavra eterna e deve ser compreendida e meditada com uma mente silenciosa. Ninguém é capaz de compreendê-la a não ser a mente que a contempla em silêncio. Para qualquer um capaz de fazê-lo sem comentário ou interpretação, meus comentários e os de todos os outros não seriam apenas inúteis, mas um estorvo. VÃO PARA A PRÓPRIA BÍBLIA, CAROS CRISTÃOS, E NÃO PERMITAM QUE MINHAS EXPOSIÇÕES E AS DE OUTROS ESTUDIOSOS SEJAM MAIS QUE FERRAMENTA QUE CAPACITE A EDIFICAR DE FORMA EFICAZ, de modo que sejamos capazes de compreender, experimentar e habitar a simples e pura Palavra de Deus, pois apenas Deus habita em Sião".

Fiquem na paz e no amor de Deus!

Mario

Paulo César S. Xavier disse...

Muito interessante a postagem. Parabéns pela excelente escrita e clareza com que aborda o tema. A leitura é agradável.

O que me chama a atenção, além do que já foi colocado em diversos comentários, é o fato de que a juventude cristã contemporânea não é "apenas" questionadora (o que, de certa forma, não é exclusivo desta geração, mas algo peculiar a todo jovem), mas vai adiante. O jovem cristão atual - no nosso caso mocidade da CCB - assume posicionamento político e ideológico acerca de seu grupo: a Igreja.

A mocidade deu um passo largo no sentido de acabar com a inércia que vigora em nosso meio há muito tempo, e que trouxe alguns prejuízos pessoais ou à Obra como um todo, principalmente nos últimos anos. Essa inércia manteve a irmandade absolutamente passiva e inexpressiva ao longo das décadas, aceitando inquestionavelmente qualquer decisão que partisse do Santo Ministério que o Senhor constituiu na Terra.

A passividade tem um motivo evidente. Qualquer posicionamento contrário aos estabelecidos pelos irmãos que estão à nossa frente eram (e ainda são...) considerados como contrários à vontade de Deus. Isso está mudando. O caráter questionador essencial da juventude aflorou ao ponto de questionar as decisões ou opiniões do próprio Ministério, a quem não deixaremos de dar o devido respeito, logicamente.

Questionar, opinar ou até mesmo duvidar deixou de ser um "pecado" e finalmente ocupa seu merecido lugar: é um direito. Isto é democracia.

Mas, como qualquer processo de democratização traz riscos, devemos tomar cuidado com as excentricidades, com a empolgação juvenil e com o oportunismo de alguns que, certamente, tentarão agregar ideias tendenciosas e que não estarão de acordo aos preceitos bíblicos, já que é essa a ideia na nova geração que surge.

Não vejo nenhum aspecto negativo nas mudanças. Elas são necessárias e inevitáveis. Necessárias, às vezes; inevitáveis, sempre, em qualquer condição. O que me preocupa é a possibilidade da descaracterização da CCB como a conhecemos. Por mais que já se perceba mudanças em sua configuração, a Igreja continua basicamente sólida, sem grandes transformações. Mantém seu jeito peculiar, sua identidade, enfim.
Vejo muitos comentários a respeito de uma "reforma" (sem alusão à CCB Reformada) na Congregação, como se isto fosse necessário. No meu singelo ponto de vista não é. Aliás, pode ser nocivo à Obra. Entretanto, vejo necessidade de uma adequação à contemporaneidade da Obra de Deus, até porque já é evidente que o modelo tradicional, baseado em um conservadorismo rígido acerca dos mandamentos da CCB (nem sempre mandamentos bíblicos, por sinal), cuja tendência é afastar, repelir as pessoas que poderiam fazer parte de nossa irmandade, isto é, os cristãos em potencial; somado a isto, também implica na produção de irmãos(ãs) com diversos questionamentos internos acerca de sua vida espiritual, por perceber que não se enquadram devidamente naquilo que a Igreja determina como doutrina. Não precisamos de reforma, portanto. Apenas necessitamos de uma adequação aos princípios bíblicos. Apenas.

Confesso que fiquei muito feliz em ler este post, mesmo que esteja lendo somente agora, quase três anos depois de sua postagem. Mesmo assim, percebo que algo que eu tive durante minha mocidade não está morto. Pelo contrário, permanece vivo.

Sou cético quanto a inúmeras questões, inclusive da própria Bíblia. Mas não desacredito nas possíveis mudanças que teremos, pois isso é um fato. E a juventude será a responsável por muitas pequenas mudanças que serão aos poucos percebidas por todos, inclusive os que estão de fora. Torço (ou peço a Deus, como preferir) que as mudanças sejam mais positivas do ponto de vista espiritual que negativas.

Mas, meu pessimismo...

Postar um comentário

Comente, elogie ou critique a postagem, mas se porte como cristão, não use "palavrões" e nem ofenda pessoas ou instituições.

Seguidores