sábado, 7 de março de 2009

Uma fé oca e condenada

6 comentários
A palavra idolatria tem origem nas palavras: Eidolon (imagem) + Latréia (culto). O Dicionário Aurélio define idolatria como: “Culto prestado a ídolos; Amor ou paixão exagerada”, e define ídolo como: “Estatua ou simples objeto cultuado como deus ou deusa; objeto em que se julga habitar um espírito, e por isso venerado; Pessoa a quem se tributa respeito ou afeto excessivo”. Depositarmos nossas esperanças e confiança a algo/alguém, que não é o próprio Deus, é fazermos desse algo/alguém uma espécie de deus (com “d” minúsculo). Ídolos não são apenas aqueles que estão nos pedestais da Igreja Católica Apostólica Romana, também é idolatria irmos a uma igreja com o intuito de ouvirmos o pregador e não a pregação; é idolatria amar o cargo de trabalho porque ele confere “status” diante dos amigos e sociedade em geral; é idolatria nos vangloriarmos pelo automóvel que chama a atenção por onde passa e ofusca qualquer veiculo que esteja estacionado ao seu redor; é idolatria freqüentarmos determinado templo apenas por causa da sua beleza arquitetônica e ou rostinho bonito de quem prega; é idolatria sentirmos a necessidade de escutar a voz de uma pessoa que entoa uma musica, mas nem se quer prestar atenção o que está sendo e/ou ignorar seus significados. Nos exemplos citados, mesmo quando falamos de um cristão, muitas vezes Deus é um mero coadjuvante, isso quando Ele aparece. São muitas as citações bíblicas que condenam a idolatria, vejamos algumas:
.
“Não vos virareis para os ídolos, nem vos fareis deuses de fundição. Eu sou o SENHOR, vosso Deus.” Levítico 19:4
.
“Não fareis para vós ídolos, nem vos levantareis imagem de escultura nem estátua, nem poreis figura de pedra na vossa terra, para inclinar-vos a ela; porque eu sou o SENHOR, vosso Deus.” Levítico 26:1
.
“E também os adivinhos, e os feiticeiros, e os terafins, e os ídolos, e todas as abominações que se viam na terra de Judá e em Jerusalém, os extirpou Josias, para confirmar as palavras da lei, que estavam escritas no livro que o sacerdote Hilquias achara na Casa do SENHOR.” (II Reis 23:24)
.
“não comendo sobre os montes, nem levantando os olhos para os ídolos da casa de Israel, nem contaminando a mulher do seu próximo, nem se chegando à mulher na sua separação” Ezequiel 18:6
.
“Eles fizeram reis, mas não por mim; constituíram príncipes, mas eu não o soube; da sua prata e do seu ouro fizeram ídolos para si, para serem destruídos” Oséias 8:4
.
mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue.” Atos 15:20
.
“Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. Amém” I João 5:21
.
O primeiro caso de idolatria registrado na Bíblia envolve o bezerro de ouro criado pelo povo hebreu, enquanto Moisés estava no Monte Sinai (Êxodo 32:1-6). Na antiguidade muitas das nações vizinhas a Israel já praticavam a idolatria, e isso faziam por acreditar que a adoração a muitos deuses é superior a adoração de um único Deus. Esses deuses pagãos não exigiam a mesma fidelidade, obediência e a moralidade do Deus de Israel, talvez seja essa “liberalidade” que tenha atraído tantos fiéis, em muitas narrações do Velho Testamento vemos que o povo de Deus foi influenciado de tal modo que diversas vezes se desviaram dos ensinamentos do próprio Deus. A Igreja Católica para defender-se da condenação que está nos Dez Mandamentos tem ensinado aos seus fieis que as imagens que estão nos pedestais das igrejas são como fotografias de entes queridos, servem apenas para lembrarmos pessoas do passado. Muitos simplesmente repetem o que lhes é ensinado, pensando ser um argumento consistente para nos convencer que não há nada de errado com seus santos, sem mesmo se atentar que nem nós, e nem eles, não depositamos confiança na foto de nossos familiares, nem nos prostramos e oramos perante elas, nem reunimos milhares de pessoas pelas ruas em procissão para as nossas fotos entoar hinos de louvor e orações. Também não se atentam que as “tais pílulas do fulano de tal” nada a ver tem com o simples ato de lembrar-se deste ser, o intuito principal é cura todo tipo de enfermidade. Não é a idolatria que move milhares de pessoas a percorrerem muitos quilômetros e até mesmo cruzar oceanos com o intuito de ver ou tocar em um ser que eles consideram inanimados e sem vida, mas que consideram milagrosos de uma hora para outra começam a chorar? E por isso considerado milagrosos. Em II Reis 21:3-6 a idolatria é colocada ao lado da adivinhação, da feitiçaria e da mediunidade, que incitam à ira do Senhor, é importante ressaltar que estas coisas não provêm de Deus e não passam de obra de demônios. Ao lermos Salmos 115 podemos observar que os ídolos nada são porque são imagem em semelhança dos homens, que são imagem e semelhança de Deus, mas nada são porque não têm vida, se não tem vida então não deveria chorar, chorar já é estranho e se a Bíblia condena temos que nos perguntar quem está por trás de tal ato e que confunde e desvia o povo dos preceitos de Deus. Imagem é diferente de escultura, tanto é que em Êxodo 20:4 escultura acompanha o termo imagem. “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.” Não existe erro em fazer uma imagem ou uma figura, mas existe erro em prestar culto a esta imagem ou figura. Tanto é que registros históricos, registrados através de quadros e estatuas são assimilados tanto por católicos quanto protestantes sem nenhum problema, pois, ninguém se prostra e nem eleva suas preces diante de tais peças. Imagens sempre geraram controvérsias até dentro do catolicismo. Em 730 foram incentivadas; Em 731 houve excomunhão de seus destruidores; Em 754 o Sínodo de Hieréia foi favorável à sua destruição ao decidir: “Representar imagens de Cristo, além de impossível é prejudicial, já que estas imagens separariam a humanidade da divindade e seu culto seria fatalmente desencaminhado”; Em 787 foi oficializado seu culto; Em 794 voltaram atrás, dizendo que não deveriam ser veneradas, servindo para lembrança; Em 843 voltou o culto a elas. O Concílio de Trento (Sess. 25), realizado em 1546, deliberou que “as imagens de Cristo e da Virgem Maria, Mãe de Deus, e de outros santos devem ser possuídas e guardadas, especialmente nas Igrejas e devem ser alvo de honra e veneração.” Interessante é que as decisões dos concílios e dos papas, consideradas infalíveis – isso é idolatria –, são sempre retificadas. E para finalizar não poderia deixar de citar o que diz o Salmo 115, que afirma que as imagens têm boca, mas não falam, tem olhos, mas não vêem, têm nariz, mas não cheiram suas mãos não apalpam, nem seus pés andam som nenhum lhes sai da garganta. E por fim, tornam se semelhantes a eles os que o fazem e os que neles confiam.




Referencias bibliográficas


Bíblia Sagrada – Almeida Revista e Atualizada
http://www.cacp.org.br/catolicismo/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=118&menu=2&submenu=9
.
*ESTE TEXTO FOI CRIADO PARA TENTAR ESCLARECER A DÚVIDA DE UMA PESSOA EM ESPECIFICO, MAS DEVIDO A IMPORTANCIA DO TEMA REPLIQUEI O TEXTO AQUI, POR ISSO, ELE RECEBE A MARCAÇÃO DE "CONSULTÓRIO CRISTÃO CCB".

6 comentários:

Dead_Violin disse...

Estudo excelente.

Tenho um amigo católico, que me disse que eles não praticam a idolatria, apenas veneram os santos do passado. Mas que muitos católicos adoram e idolatram Maria, e isso é errado ... Eu lhe disse que colocar Maria acima de Jesus é um erro teológico.

Mas ficou aberto uma discussão: Não seria Maria mãe de Jesus Carne, ou de Jesus Espírito?

Lhe respondi que Maria era mãe da Parte Carnal de Jesus, que o seu útero apenas proveu abrigo ao desenvolvimento do filho de Deus.

Mas, para alguns católicos radicais, ela é mãe da parte Espiritual de Jesus.

Até certo ponto concordo, pois creio que ela deve ter educado ele como qualquer criança. Assim como seu pai José, também deve ter lhe dado umas palmadas ... hehe ...

Jesus veio aqui experimentar tudo que nós passamos. Tenho certeza que ele também deve ter tido este tipo de experiência com sua mãe.

Anônimo disse...

Caro Irmao

Incluo no conceito de Idolatria, neste seculo presente em que vivemos, a manifestacao exagerada do espirito santo. Neste momento de contestacao na CCB, em que na realidade existe uma luta de poder, a manifestacao da gloria de Deus, que deveria ser e è, uma experiencia pessoal, por muitos esta a manifestacao e considerada uma experiencia colectiva, ou ate social(o culto tem de ser alegre, devemos dar gloria, mandar bala, etc etc etc).
Essa "Pessoa a quem se tributa respeito ou afeto excessivo", ou seja essa forma de estar na igreja, como se a vida do crente fosse uma permanente gloria, para mim e uma(mais uma) forma de idolatria.

Paulo

Cristão CCB disse...

Caro Dead,

Escutamos isto frequentemente dos católicos, é o que lhes é ensinado. Concordo plenamente que Maria e José tiveram papel importante na vida de Jesus, mas isso não faz deles uma divindade ou dignos de adoração.
Os demais homens e mulheres nomeados santos pela ICAR também são importantes personagens da história do cristianismo, e deram suas significativas contribuições, mas não tem poder de atender as suplicas daqueles que a eles pedem. Como ocorre a todos os homens e mulheres, a morte também chegou para eles, e eles repousam o sono dos justos e aguardam aquele dia em que o Senhor voltará e julgará todas as coisas, por isso, eles não são conscientes das coisas que são entregues em suas mãos por aqueles que nele confiam. E nem se fossem concientes poderiam interceder pelos que lhes pedem, a Palavra de Deus é clara Jesus é o unico intercessor entre Deus e os homens.

Conheço um ex-ateu, hoje católico praticante, ele considera que Maria sendo mãe de Jesus, também mãe de Deus, disse que ela sempre soube de todas as coisas, inclusive, sabe quando o será o julgamento. As Escrituras afirmam que nem Jesus tem esse conhecimento (Mateus 24:36). O problema não é ter alguém de quem se lembrar, mas cultuar e confiar nesse alguém, como fazem com a pílula do Frei Galvão, o Santo Expedito dos endividados, etc. E outra não somos nós que condenamos as estatuas de santos, mas a própria palavra de Deus.

Cristão CCB disse...

Paulo, você está certo! Por isso explicitei que irmos na igreja com o intuito de contemplar o pregador e/ou as maravilhas "por ele" realizadas é uma forma de idolatria.

Anônimo disse...

Boa noite Mario!

Antes de mais nada quero disser q, apessar de não ter um blog, tenho acompanho o seu todos os dias e pode ter certeza q está me ajudando e muito.Bem vou resumir o que está se passando comigo. Tenho 22 anos nasci em "berço católico" toda a minha famila é, fui batizada, catequizada, crismada e lá se vai...(confesso a vc que não tinha o habito de ler a bíblia) conforme fui crescendo, amadurecendo e cada dia mais me questionando sobre coisas que dissem sobre tal denominação, despertou-me a curiosidade de estudar a palavra... Bom estou passando por uma situação muito chata, por que decidir não ir mais a missa aos domingos (e outras coisas...), e como fui sempre obediente aos meus pais, estou contrariando à eles que tanto amo, sempre arranjo uma desculpa para não ir, me falta coragem de disser o que sinto a eles todos iriam ficar contra min, no momento não estou frequentando nenhuma denominação, porem quando alguem me convida para algun evento evangelico tenho q mentir para eles, me sinto mal, muito mal com isso, por favor me um conselho...

No aguardo...
Mary Salvador-BA.

Cristão CCB disse...

Bom dia Mary,

Sei bem o que é isso, também era católico e meu pai nunca gostou de envangélicos.

Se você ler o meu testemunho: http://www.blogdomario.com/2009/03/meu-testemunho-parte-1.html

Verá o movimento que Deus fez comigo e minha família. Quando eu comecei a frequentar a CCB eu ia escondido da minha família, até que um dia, para minha surpresa, minha mãe passou a congregar também, logo depois meu irmão mais novo também.

Meu pai continua não gostando de "crentes", mas assumi minha religiosidade e sempre evitei os confrontos.

Se você se encontrou em outra denominação, ou melhor, se você teve um encontro com Deus em outra denominação, penso que deve assumir isso, quem sabe você, assim como eu, também não é surpreendida.

Pode ser que você encontre resistência, mas não há vitórias sem lutas, se for o caso, e ainda não tiver estrutura para lutar, se agarre a Deus, persevere na oração, frequente a igreja e quando estiver mais forte e segura fale com seus pais.

Quanto a mentira, isso não é legal, evite mentir, afinal, você é uma serva de Deus, e a verdade é nossa arma, aquele que vela por ti a todo tempo e em todos os lugares te guardando está.

Se ainda não der pra contar a verdade, não precisa mentir, fique em silêncio.

Fique na paz e no amor de Deus!

Deus te abençoe,

Mario

Postar um comentário

Comente, elogie ou critique a postagem, mas se porte como cristão, não use "palavrões" e nem ofenda pessoas ou instituições.

Seguidores

Divulgação