domingo, 8 de março de 2009

Meu testemunho - Parte 1

2 comentários
Muitos quando testemunham agradecem a Deus porque nasceram em um lar cristão, já eu agradeço a Deus porque nasci num lar “católico não praticante”, mas, a misericórdia do Senhor me alcançou com as boas novas de salvação.
Nossa família tinha uma vida boa, meu pai trabalhava numa grande empresa, minha mãe, apesar de ter apenas a 4ª série primária, era uma mulher muito inteligente e batalhadora, ela tinha um comércio bastante conhecido na cidade. Como muitos lares brasileiros tínhamos nossos dramas, meu pai era alcoólatra, e sempre que retornava do bar fazia seus espetáculos como fantoche do adversário, gritava, xingava e vivia correndo atrás da minha mãe com a faca na mão, graças a Deus o pior nunca chegou a acontecer.
Eu e meus irmãos ainda éramos crianças, e durante muitos anos minha mãe suportou a dura situação que vivíamos quase todos os dias, até que um dia decidiu dar um basta, decidiu separar-se. Mas naquela época a separação era um tabu, a família do meu pai é católica e tradicional na cidade e não aceitava a separação, trouxeram até o padre para aconselhar minha mãe. E essa situação perdurou por um bom tempo. Para evitar a “vergonha” de uma separação na família, diziam que minha mãe inventava as coisas que dizia, mas como era real, continuava decidida a se separar para parar de sofrer, até que para dar um cala boca nela, a internaram numa clinica psiquiátrica espírita e a dopavam com muitos medicamentos. Como éramos crianças pequenas não tínhamos compreensão e nem a capacidade para tocar o negócio da minha mãe, meu pai continuava trabalhando na mesma empresa, minhas tias e tios não se preocuparam em cuidar das crianças de quem eles arrancaram a mãe apenas para evitar a "vergonha" da família, por causa do desquite, por isso desde muito pequeno sozinho eu aprendi a lavar, passar, cozinhar e pagar contas. Em frente a minha casa morava uma família de irmãos da CCB, eram muito amigos da minha mãe, e por isso ajudavam meu pai cuidar de mim e dos meus dois irmãos enquanto ele trabalhava. Pouco tempo depois meu pai perdeu o emprego, e ficou desempregado por muitos anos, e minha mãe retornou para casa, porém, com muitos comprimidos que devia tomar diariamente, por conta da situação a depressão pegou ela. Com a idade de 13 anos comecei a trabalhar em um supermercado e passei a bancar minha casa, meu irmão mais velho se envolveu com as drogas, e meu pai continuava a beber. Eu trabalhava o mês inteiro, de segunda a segunda, e muitas vezes não tinha 10 centavos para tirar uma cópia na escola.
Eu e meu irmão menor passamos a ir à igreja católica, e me tornei um membro ativo, até lia lá na frente.
Apesar dos meus melhores amigos serem crentes, eu nunca gostei de crentes, achava um povo ignorante e tapado, mas um dia não suportando a situação na minha casa (eu não podia chorar porque era o pilar da família) enquanto tomava banho eu chorava e fiz uma oração com os seguintes dizeres: “Meu Deus hoje eu vou na igreja dos crentes porque eles falam que você fala com eles, se é verdade fala comigo, mas fale claramente porque eu não acredito muito nisso”. Terminei meu banho, me vesti e fui para a igreja, sentei-me do lado de fora, e o Senhor mandou sua palavra, Genesis 8, que relata quando Noé soltou a bomba para ver se as águas do dilúvio tinham baixado. E na exortação o Senhor falou comigo, disse que naquele dia existia alguém que nem crente era, mas que tinha pedido um sinal, mas que queria um sinal claro porque não acreditava que ele falasse com os homens, e que assim como a pomba foi sinal para Noé, naquela noite aquela palavra era o sinal que eu havia pedidp, e que não tinha sinal mais claro que aquele. E eu fiquei na duvida, e me perguntei se era comigo, para minha surpresa no mesmo instante o Senhor respondeu que eu ainda tinha duvidas se era comigo aquela palavra, e o Senhor respondeu que sim, mas meu coração duro falou que se fosse comigo Deus repetiria, foi quando no mesmo instante o Senhor tomou o servo na presidência e disse: “o Senhor já te deu o sinal, já te respondeu que é com você mesmo que ele está falando, mas para você ter certeza ele me manda eu repetir, e repetiu tudo”
Depois disso deixei de ir na igreja católica, mas como não tinha amigos na CCB logo pensei em voltar para trás, mas antes decidi buscar a palavra, e Deus me disse que eu queria voltar para trás por causa de que onde eu estava eu era amado e querido, e na CCB eu era um anônimo, mas que não era para eu voltar porque meu lugar era na CCB e que Ele me amava. Nunca mais pisei na igreja católica.
Durante 5 anos sustentei minha casa, financeiramente e emocionalmente, até que decidi parar de sofrer e mesmo sem condições ingressei num curso técnico, 3 meses depois o Senhor abriu uma porta de estagio na empresa que eu desde criança sempre quis trabalhar, o salário era o mesmo do supermercado e fui informado que ao final do estagio eu não seria contratado, mas fui com a fé e coragem. Alguns estagiários perceberam que eu ganhava menos do que eles, e falaram com meu coordenador, que foi até o RH para se informar, durante 3 meses consecutivos meu salário aumentou, e em relação ao do supermercado ele dobrou. Foi na hora certa, bem quando o Lula ganhou a primeira eleição e a inflação disparou, e isso judiou muito de mim, mas Deus me socorreu. Nas minhas orações eu pedia para o Senhor me ajudar a sair daquela situação, certa noite disse para Deus que sabia que era difícil abrir uma porta de emprego para meu pai, mas para que arrumasse um emprego para meu irmão mais velho para que ele pudesse me ajudar nas despesas da casa, no outro dia tanto meu pai como meu irmão estavam empregados, foi quando eu entendi que a nosso Deus nada é impossível.
Sofri muito na mão da pessoa que estava acima de mim quando eu era estagiário, que era muito limitada, mas como eu era o lado fraco da corda, engolia tudo calado. E quando chegou próximo do fim do meu estagio, eu comecei a pirar com a situação, comecei a me questionar se tinha valido a pena ter ficado quieto e não tentar me defender da opressão daquelas pessoas, no instante que essa duvida surgiu, uma pessoa qual eu não tinha contato algum (uma espírita) me chamou em uma sala para dizer que tinha surgido uma vaga temporária em outra área da empresa e que ela e os membros de sua equipe foram unânimes em me indicar, porque de longe eles contemplaram tudo que eu passei nas mãos daquelas pessoas, e que mesmo assim eu fui uma pessoa integra, honesta e de caráter. Todas as qualidades que ela ressaltou, eram aquelas quais eu me questionava, e exatamente na ordem em que eu havia pensado, entendi que o Senhor me disse: "continue assim". Fui trabalhar naquele outro setor, substituí um irmão que estava enfermo, pouco tempo depois surgiu uma vaga no setor onde fui estagiário, queria muito a vaga, mas para não concorrer com meus amigos disse que não participaria do processo seletivo, afinal, eu estava empregado e já tinha um bom salário, disse que eu só iria para aquela vaga se não tivesse que concorrer, mas achava que era impossível isso acontecer. Deus movimentou todas as coisas, e mesmo sendo contra a política da empresa, fui convidado a ocupar aquela vaga, não houve processo seletivo. Voltei no mesmo nível daqueles que me maltrataram, dois anos depois, houve uma reestruturação no setor e aquela pessoa que pisava em mim quando eu era seu estagiário veio trabalhar na minha equipe, e eu tive que lhe ensinar a função. Fui cristão e não paguei na mesma moeda, fui profissional esqueci as coisas do passado e cumpri meu papel. Infelizmente, meses depois essa pessoa foi mandada embora. Eu continuo na empresa, estou no fim do meu curso de graduação (a empresa banca metade), e eu tenho uma pequena empresa, que graças a Deus está caminhando bem.

Continuará...

2 comentários:

Dead_Violin disse...

Você é um forte em Cristo - Que Deus te ilumine e continue sempre firme em sua jornada, inspire-se na rocha que é o nosso Salvador Jesus Cristo!

Um abraço de Seu amigo,

Elisielly disse...

A Paz de Deus!!
Estou com os olhos cheios de lágrimas por ler sua história. O que o Marcos disse aí em cima é verdade: você é um forte em Cristo.
O que mais me emocionou é que sua história se assemelha um pouco com a do meu namorado, ainda que em uma grau mais elevado de sofrimento, vamos dizer assim.
Continue firme.
Deus te abençoe! Aliás, Deus continue te abençoando.

Postar um comentário

Comente, elogie ou critique a postagem, mas se porte como cristão, não use "palavrões" e nem ofenda pessoas ou instituições.

Seguidores